Guitarras de Artur e Carlos Paredes vão tocar este 10 de Junho nos Jerónimos

Legadas por Carlos Paredes aos Jerónimos, duas guitarras entretanto restauradas vão voltar a tocar, este 10 de Junho, nos Claustros do Mosteiro, num concerto já esgotado.

Foto
Uma das guitarras que agora se ouvirão, no respectivo estojo DR

Pertenceram a Artur Paredes e depois ao seu filho, Carlos Paredes, que por testamento as legou ao Mosteiro dos Jerónimos. Talvez porque Amália se referia a Carlos Paredes como “o Mosteiro dos Jerónimos da guitarra portuguesa” e ele tenha achado graça à designação. Ou porque gostava de tocar nos seus claustros, como várias vezes o disse. Seja como for, as duas guitarras que passaram de pai para filho e que foram moldadas pela mão destes dois mestres – depois de terem sido construídas em 1966 por um outro mestre, João Pedro Grácio Júnior (1903-1967) – chegaram em 2009 ao Mosteiro e ali ficaram até que, sem 2021, foram pela primeira vez objecto de avaliação. O aconselhamento técnico, segundo comunicado desta instituição, “recaiu nos especialistas Manuel Morais e Pedro Caldeira Cabral”, sendo então as duas guitarras entregues ao conservador-restaurador Orlando Trindade, para restauro. Não só para valorizar a sua presença no acervo do museu, mas também para lhes dar nova vida, fazendo-as ouvir. Surgiu então a ideia de um concerto.

Sugerir correcção
Comentar