Duas vozes e duas guitarras dançam com as Horsegirl

Estão lá as guitarras ruidosas, os laços harmónicos, as melodias viciosas, as vozes etéreas, o ritmo nervoso e uma urgência emocional polida. São as Horsegirl, de Chicago.

Foto
As Horsegirl apresentam uma obra de estreia desafectada, mas de grande precisão, na forma como ajustam energia, cadência, harmoniae atmosferas sonhadoras DR

Uma história velha. Três amigas adolescentes aprendem a tocar guitarra, baixo e bateria, e têm os mesmos gostos (pós-punk, rock menos formatado, alguma pop) e começam a ensaiar na garagem dos pais de uma delas. Dão os primeiros concertos, chamando a atenção de alguém do meio musical e começando a aparecer na imprensa. Acabam por assinar por uma editora, continuam os concertos e acabam por lançar um álbum. Era assim que acontecia, antes das bandas, independentemente de serem rapazes ou raparigas, quase desaparecerem de circulação. Hoje prevalece o artista a solo, e o digital permite o ideal da comunicação sem intermediários. Há conteúdos. Música com desígnio, nem tanto.

Sugerir correcção
Comentar