Carlos Moedas tinha mesmo anunciado que ia acabar com metade da ciclovia na Almirante Reis?

Já depois de ter sido retirada parte da ciclovia do lado direito da Almirante Reis, o autarca lisboeta veio a público assegurar que tal iniciativa tinha já sido anunciada.

i-video

A frase

“Anunciei, há cerca de um mês, que iria ter uma solução para a [Avenida] Almirante Reis de retirar metade da ciclovia do lado direito.”

Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa

O contexto

As ciclovias na Avenida Almirante Reis são um assunto polémico desde a sua criação e foram um dos principais temas de debate na campanha para as eleições autárquicas de Setembro do ano passado que culminaram com a vitória da coligação protagonizada pelo social-democrata Carlos Moedas.

Depois de na reunião de câmara de quarta-feira, dia em que foi retirada parte da ciclovia na avenida lisboeta, o autarca do Bloco de Esquerda ter dito que apresentaria uma iniciativa com vista à realização de uma consulta pública sobre o assunto, esta quinta-feira, durante o lançamento da construção de novas habitações no Bairro da Boavista, Moedas fez questão de reiterar que a decisão de acabar com parte da ciclovia já tinha sido anunciada há cerca de um mês. O autarca acrescentou ainda terem sido ouvidas “mais de 600 pessoas”, mostrando não compreender a ideia de repetir tal processo.

Os factos

Em reunião pública do executivo lisboeta, Carlos Moedas anunciou, no final de Março, a intenção de “acabar com metade da ciclovia” na Almirante Reis.

O presidente da Câmara de Lisboa disse esta quarta-feira que a solução imediata para Avenida Almirante Reis passa por “acabar com metade da ciclovia”, ressalvando que a longo prazo deve existir um projecto de reperfilamento desta artéria. “Temporariamente vamos resolver uma parte do problema que é retirar já uma parte daquela ciclovia para escoar o trânsito, mas no longo prazo aquela avenida tem de ter duas faixas nos dois lados e, depois, pode ter a ciclovia, mas isso tem de ser um projecto de reperfilamento da própria Almirante Reis”, acrescentou ainda o autarca nessa ocasião.

Por outro lado, a autarquia de Lisboa, já liderada por Moedas, promoveu efectivamente sessões com moradores para ouvir as suas opiniões quanto às mudanças a empreender na Almirante Reis.

Ainda assim, também já como presidente da autarquia da capital, Moedas prometeu a realização de um estudo do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) para avaliar as condições de segurança existentes na Almirante Reis com as ciclovias adoptadas pelo anterior executivo. No entanto, até ao dia de hoje não foram conhecidos quaisquer resultados do referido estudo, nem sequer se o mesmo foi iniciado, se está em curso ou concluído.

Em suma

É verdadeira a garantia dada por Carlos Moedas de que anunciou há cerca de um mês a pretensão de acabar com parte da ciclovia na Almirante Reis, assim como as iniciativas realizadas para ouvir lisboetas sobre o tema. No entanto, ainda como candidato à câmara, Carlos Moedas começara por garantir, em entrevista ao PÚBLICO, que “a ciclovia da Almirante Reis é para acabar”.

Sugerir correcção
Comentar