Espaço e tempo a mais

Uma entrada num domínio pouco explorado no cinema português: a ficção científica. Apesar de algum talento visual, Mar Infinito não consegue justificar a sua duração de longa-metragem.

cultura,ipsilon,cinema-portugues,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Uma atmosfera de ficção científica não isenta de um certo encanto
cultura,ipsilon,cinema-portugues,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria

Primeira longa-metragem de Carlos Amaral, realizador com alguma obra no formato curto e, sobretudo, um extenso trabalho na área dos efeitos especiais. As duas coisas notam-se: o mais conseguido de Mar Infinito é a forma como o uso cuidadoso, económico e convincente de uns quantos sinais visuais (écrans apostos à silhueta de uma paisagem urbana, por exemplo) confere imediatamente uma atmosfera de ficção científica (fc), de um vago futurismo, não isenta de um certo encanto.

Sugerir correcção
Comentar