Anatomia de um massacre

O mérito maior de Nitram é elidir qualquer causalidade psicológica no desequilíbrio da personagem e no cometimento do massacre. Caleb Landry Jones foi prémio de interpretação em Cannes 2021.

Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Fotogaleria
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Fotogaleria
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Fotogaleria
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
Fotogaleria
Landry Jones encarnar a personagem de forma quase “neutra”
,Nitram
Fotogaleria

O australiano Justin Kurzel tinha-nos dado, há meia-dúzia de anos, um Macbeth balofo e maneirista, recheado de estrelas (Michael Fassbender, Marion Cotillard), à beira da insuportabilidade. Digamos que no fim da projecção de Nitram o nosso impulso foi o de ir confirmar que se tratava do mesmo realizador, porque nem parece: estamos aqui num registo completamente diferente, outra discrição, outra subtileza, e sobretudo outra atenção aos não-ditos, aos não-explicados, aos buracos que enformam a psicologia e o trajecto do protagonista.

Sugerir correcção
Comentar