Os 144 centros locais de apoio ao imigrante em Portugal funcionam sem tradutores e sem apoio jurídico

O Alto Comissariado para as Migrações criou uma linha de interpretação linguística gratuita e acessível a todos. Apenas um dos centros locais de apoio ao imigrante disponibiliza apoio jurídico.

Foto
Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes de São Teotónio, no concelho de Odemira Nuno Ferreira Santos

A rede de mais de 140 gabinetes criados pelo Alto Comissariado para as Migrações (ACM) para prestar apoio de proximidade a imigrantes não tem tradutores nem intérpretes próprios; e apenas um tem um serviço de apoio jurídico. Em contrapartida, o ACM disponibiliza uma linha de interpretação linguística, a funcionar com 107 tradutores, e através da qual é possível agendar um serviço de tradução por telefone.

Sugerir correcção
Ler 4 comentários