Considerar um vinho sem sulfuroso como natural é o mesmo que dizer que a Rússia está a libertar a Ucrânia

Um vinho, para poder ser considerado como natural, teria que nascer de forma espontânea, sem qualquer intervenção externa, desde a cepa até ao copo. As uvas cresceriam livremente, fermentavam na vinha e depois beberíamos directamente das cepas. Ora, isso não existe.

Foto
"O pecado original dos defensores do conceito de “vinho natural” está na diabolização do sulfuroso" Nelson Garrido

Há uns seis anos, fiz um vinho de Moscatel Galego sem adicionar sulfuroso. Agora, fui convidado pelos organizadores do mais alternativo certame vínico do país, o Simplesmente Vinho (o próximo decorrerá no primeiro fim-de-semana de Julho), para apresentar esse branco num dos restaurantes do WOW (World Of Wine), em Vila Nova de Gaia, juntamente com outros produtores. Temo que, da minha parte, vá correr mal.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários