Judeus sefarditas. Advogados prometem passaporte português em seis meses

Suspeita de “práticas mercantilistas” levou o PS a tentar reforçar as provas de “ligação a Portugal”. O ensaio de mudança na lei foi chumbado. Maria Belém Roseira e Ribeiro e Castro, advogado que trabalha na área da nacionalidade, entre os que mais se opuseram à mudança.

Foto
Sinagoga em Belmonte PAULO PIMENTA

Não é apenas sentimental o apelo aos descendentes de judeus sefarditas para a obtenção da nacionalidade portuguesa ao abrigo de um regime especial da Lei da Nacionalidade. A reparação histórica da trágica decisão do rei D. Manuel I de expulsar as ancestrais comunidades judaicas de Portugal (os sefarditas), no final do século XV, tem sido aproveitada por empresas privadas em todo o mundo para angariarem potenciais interessados, publicitando de forma pragmática as vantagens associadas a um passaporte português.

Sugerir correcção
Ler 19 comentários