A vertigem dos espíritos e dos humanos pelo Teatro Griot

O tempo tem afirmado a substância da peça do prémio Nobel da Literatura Wole Soyinka , apesar de para muitos e por diferentes razões, incluindo a literária, ser um osso duro de roer.

Foto
No elenco: Ana Valentim, Cláudio da Silva, Gio Lourenço, Júlio Mesquita, Matamba Joaquim, Miguel Sermão, Rita Cruz e Vera Cruz mónica de miranda

É por causa de um totem, objecto, ou melhor, em versão simplista, símbolo de clã que este acredita capaz de propriedades mágicas, que a tragédia domina a nova peça do Teatro Griot. Porém, a história do escultor com medo das alturas, a quem o deus Aroni encomenda a empreitada, e que para a completar com os desejados louros acaba matando o seu aprendiz por inveja e desespero, é apenas parte de uma alegoria complexa vinda de passado distante e contexto histórico, político e dramático desconhecido ou ignorado pelos espectadores, que a encenação de Zia Soares procura transpor resguardando a sua universalidade, assim defendendo a sua actualidade.

Sugerir correcção
Comentar