A nossa condição periférica

É ano da Bienal de Veneza e da Documenta de Kassel. Portugal continua de fora dos grandes circuitos das boas exposições mundiais.

Foto
Rui Gaudêncio

Tal como sucedeu em 2021, 2022 vai ser o ano em que tentaremos regressar à normalidade. Normalidade significa, aqui, ausência de encerramentos de museus e galerias, programas vocacionados para durar todo o ano, a esperança do regresso a alguma interacção pessoal tão necessária num meio onde os protagonistas, os artistas, trabalham quase sempre na solidão do atelier, sem poderem trocar ideias com os seus pares.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários