Mortes nos comandos: três condenados em 19 arguidos. Director da prova e médico absolvidos

Ministério Público tinha pedido a absolvição de 14 dos 19 militares acusados. MP e advogados das famílias vão recorrer para a Relação de Lisboa. O inquérito às mortes de Hugo Abreu e Dylan da Silva começou há mais de cinco anos.

forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
Julgamento dos Comandos terminou com a leitura da sentença no Campus da Justiça @daniel rocha
forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
Dezasseis arguidos foram absolvidos de todos os crimes de que vinham acusados desde 2017 @daniel rocha
forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
O julgamento dos 19 militares durou três anos e meio @daniel rocha
forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
Familiares dos arguidos absolvidos congratulam-se com a decisão do tribunal @daniel rocha
,Migos
Fotogaleria
Miguel Santos Pereira e Ricardo Sá Fernandes representam os pais dos jovens que perderam a vida no curso @daniel rocha
Fotogaleria
O tenente-coronel Mário Maia e o advogado Alexandre Lafayette @daniel rocha

O Tribunal Central Criminal de Lisboa condenou na tarde desta segunda-feira Ricardo Rodrigues, um dos instrutores do curso dos Comandos no qual morreram Hugo Abreu e Dylan da Silva, em Setembro de 2016. Ricardo Rodrigues era instrutor do grupo de Hugo Abreu e foi condenado a uma pena suspensa de três anos de prisão por crimes de abuso de autoridade por ofensas à integridade física. Segundo a juíza, não ficou provado que teria obrigado Hugo Abreu a comer terra no meio da prova, quando este já se sentia mal, como alegou o Ministério Público (MP).

Sugerir correcção
Ler 12 comentários