João Paulo Cotrim, o autor e editor que amava os desenhos e as palavras

João Paulo Cotrim não foi apenas o director da Bedeteca, o editor da Abysmo, um entusiasta da história do desenho humorístico ou um amante do livro e da ilustração. Foi uma personalidade literária e artística que soube habitar aquele espaço vazio que separa a cultura literária da cultura visual. Não para o eliminar, mas para o fertilizar, reinventando-o. A história da nossa cultura não poderá ser escrita sem a sua memória.

Foto
enric vives-rubio

Há qualquer coisa de inaceitável na notícia da morte de João Paulo Cotrim, assim dada sem aviso ou sinal prévio neste domingo. O escritor, o editor, o argumentista, o guionista, o poeta, o entusiasta amoroso de banda desenhada, da ilustração e da literatura, o amante dos livros morreu. Tinha 56 anos. Natural de Lisboa, João Paulo Cotrim foi um divulgador e um autor apaixonado pelas palavras escritas e as imagens, que se sentia à vontade tanto no meio dos textos, como entre os desenhos e as cores.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários