Dar primazia à igualdade de género

Em muitos países, a crise da covid-19 veio agravar as desigualdades de género em diferentes domínios: educação, formação profissional, segurança, saúde e direitos sexuais e reprodutivos, tomada de decisão e oportunidades económicas.

Em quase nenhum outro lugar no mundo os direitos das raparigas e das mulheres estão tão ameaçados como no Afeganistão. Os recentes acontecimentos são muito preocupantes. A União Europeia deixou claro que futuras ajudas ao desenvolvimento deste país dependerão do respeito votado ao quadro jurídico internacional e às normas em matéria de direitos humanos, incluindo os direitos das raparigas e das mulheres. A UE está determinada a continuar a apoiar as raparigas e as mulheres afegãs e de todo o mundo, em consonância com os nossos valores e as nossas convicções.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários