Os maus hábitos de Paul Verhoeven

Depois da contemplação em Elle, não se esperava um divertimento kitsch. Mas ainda bem que Verhoeven não se tornou chic.

charlotte-rampling,isabelle-huppert,sharon-stone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Benedetta: as visões místicas, os estigmas e o godemichet de uma freira lésbica
charlotte-rampling,isabelle-huppert,sharon-stone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
charlotte-rampling,isabelle-huppert,sharon-stone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
charlotte-rampling,isabelle-huppert,sharon-stone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
,Benedetta Carlini
Fotogaleria
,2021 BFI London Film Festival
Fotogaleria

Depois da acção reflexiva de Ela, talvez não fosse previsível uma Benedetta assim. Depois da suspensão extática, quando Paul Verhoeven olhou para o seu cinema e procedeu a uma decantação dos seus motivos e personagens (por isso Ela funcionou como alavanca para um reposicionamento face ao cineasta holandês tanto quanto aconteceu em timing oportuno para ser lido à luz desse reposicionamento), depois disso, chega-nos algo despido de filtros de distanciamento, que se expõe de forma directa, até no seu kitsch, como os exemplares que no passado fizeram a fama infame do realizador holandês. Isto é: Verhoeven não se tornou chic.