Jovem da Libéria devolveu 50 mil dólares que encontrou na rua. Presidente recompensa-o

Emmanuel Tuloe encontrou 50 mil dólares embrulhados em plástico quando viajava na auto-estrada. Recebeu uma bolsa para retomar os estudos, apoio financeiro e ainda duas motorizadas.

Foto
Presidência da Libéria/EPA

O Presidente da Libéria, George Weah, recebeu esta segunda-feira um adolescente que encontrou 50 mil dólares nas ruas da cidade de Gbolor Dialla, devolvendo mais tarde a totalidade do dinheiro à empresária que o perdera.

O chefe de Estado ofereceu ao jovem libério, Emmanuel Tuloe, 10 mil dólares americanos (cerca de 8600 euros), uma bolsa para pagar os estudos e ainda 500 dólares mensais para cobrir a mudança para a capital do país, a Monróvia. Além destes apoios monetários, o rapaz foi ainda presenteado com duas motorizadas.

EPA/PRESIDENTIAL PRESS OFFICE HANDOUT
EPA/PRESIDENTIAL PRESS OFFICE HANDOUT
Fotogaleria
EPA/PRESIDENTIAL PRESS OFFICE HANDOUT

Tuloe encontrou o dinheiro embrulhado num saco plástico quando conduzia o seu mototáxi na auto-estrada. Ninguém parecia ter reparado no embrulho, pelo que o jovem de 18 anos decidiu levá-lo para casa, onde deu à tia para o guardar até que o dono do dinheiro aparecesse. Nesse mesmo dia, ouviram na rádio uma empresária, Musu Yancy, a “chorar pelo seu dinheiro e a apelar a quem o pudesse ter encontrado”, contou Tuloe à Associated Press (AP).

A história acabou por ficar conhecida no país e Tuloe passou a ser um herói nacional. Na sexta-feira, o jovem confirmou que iria ser recebido pelo Presidente da Libéria esta segunda-feira, adiantando que ia falar com George Weah sobre a sua educação.

“Vou dizer-lhe que quero voltar à escola”, referiu Tuloe, que abandonou os estudos no sétimo ano para trabalhar como mototaxista e sustentar a família.

Apesar de muitos libérios estarem a elogiar o seu gesto, Tuloe conta que alguns, incluindo amigos seus, gozam com a sua decisão pouco habitual para os padrões de um país que ainda procura reerguer-se depois de guerras civis consecutivas.

“Desde a minha decisão, quando tenho uma avaria na auto-estrada e algum dos meus amigos taxistas me vê, não recebo ajuda. Dizem que agi de forma estúpida ao ter devolvido o dinheiro encontrado”, contou. “Dizem-me que nunca vou ser rico na vida. Como devolvi tanto dinheiro, vou viver e morrer pobre”, continua, admitindo que também recebeu ameaças.

Ainda assim, sente-se bem com a sua decisão. “Se o dono pede que seja devolvido, devemos devolver porque não sabemos o futuro”, defende-se. A empresária, Musu Yancy, deu cerca de 1500 dólares em dinheiro e bens a Emmanuel Tuloe, que vai dividir o valor entre alguns dos que viajavam com ele na motorizada. Além disso, comprou um colchão que vai oferecer à avó.