A Adega da Taboadella já não é “a adega dos nossos avós”, mas não podia ser outra coisa

Fernando Guerra
Fotogaleria
Fernando Guerra

Por entre os cerca de 50 hectares da Quinta da Taboadella, comprada pelo Grupo Amorim em 2018, na região vinícola do Dão, existia um armazém que urgia transformar em adega. A tarefa coube ao arquitecto Carlos Castanheira.

Com um desenho simples e funcional, “a adega promove uma ligação forte com a natureza, usando materiais como a cortiça e a madeira", sem se deixar de preocupar com a "economia de energia, tratamento de águas residuais e triagem de resíduos sólidos", pode ler-se no site da propriedade. Mas era fundamental que, antes mesmo da função estética, o espaço respondesse à função a que se destinava: “Embora já não seja a adega dos nossos avós, é importante que se perceba que é uma adega”, confidencia o arquitecto ao P3.

Em constante diálogo e articulação com a equipa técnica, responsável pela produção e vinificação, Carlos Castanheira transformou o precário edifício existente numa adega moderna de 2500 metros quadrados, onde já se realizaram duas vindimas, que “não só respeita as exigências legais impostas para a actividade, como é funcional”.

Para o arquitecto, “a indústria do vinho não pode ser vista como qualquer outra indústria, tem algo de nobreza”. Para uma actividade nobre, materiais à altura: “A característica principal do edifício é ser uma grande construção, com grandes peças estruturais em madeira, com um revestimento exterior em cortiça, que é um grande isolante térmico. Ambos mantêm em perfeitas condições o vinho.”

Para além de se enquadrarem na paisagem, estes materiais têm uma “relação muito forte com o vinho”, considera o arquitecto. “Associam-se facilmente, e bem, a um bom vinho e era isso que se pretendia.” A Adega da Taboadella caracteriza-se por “duas grandes naves, dois volumes, com dois telhados com clarabóias”, onde a produção e o envelhecimento se organizam e distribuem. A opção das clarabóias prendeu-se com a preocupação com a luz e a sombra. Viradas a Norte, “permitem manter a luminosidade necessária e suficiente para que a sombra crie o ambiente e a temperatura que uma adega tem que ter”.

Ao longo do projecto, concluído em 2020, existiu a preocupação de criar, num mesmo edifício, espaços distintos: uns exclusivamente industriais dedicados à produção e uma área reservada a visitantes, para a degustação ou prova de vinhos. Uma grande varanda permite também apreciar a paisagem ao redor.

Texto editado por Amanda Ribeiro

Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra
Fernando Guerra