Resultados autárquicas: André Ventura perde corrida à Assembleia Municipal de Moura

Para a câmara municipal o PS apresenta-se como partido mais votado, com 2675 votos, seguido da CDU, com 2540 e o Chega, com 946 votos.

Foto
LUSA/NUNO VEIGA

O líder do Chega, André Ventura, não conquistou a liderança da Assembleia Municipal de Moura, a que se candidatou como cabeça de lista. “Decidi ser candidato autárquico numa terra que tanto me deu a mim e ao Chega desde a fundação”, disse, em Junho, ao jornal i. “Candidato-me para ganhar a câmara e a Assembleia Municipal de Moura.”

A candidatura de André Ventura não foi suficiente para repetir o voto de protesto que se verificou nas eleições presidenciais de Janeiro, quando o líder do Chega alcançou 30% em Moura, a menos de 400 votos de Marcelo Rebelo de Sousa, e venceu em duas freguesias do concelho: Póvoa de São Miguel e Sobral da Adiça. 

Os resultados apurados e relativos ao concelho de Moura confirmam que André Ventura não será o próximo presidente da Assembleia Municipal de Moura, cargo que será assumido pelo PS, que obteve 2440 votos, seguido da CDU, com 2322, o Chega, 1766, e a coligação PSD-CDS, 256 votos. Os dados apurados referem que o Partido Chega elegerá seis deputados municipais.

Para a câmara municipal o PS apresenta-se como partido mais votado, com 2813 votos, seguido da CDU, com 2719, e o Chega, com 1001 votos. A coligação PSD-CDS obteve 262 votos.

Os votos apurados confirmam que o Chega elegerá um vereador na Câmara de Moura, enquanto o PS ficará com três eleitos, tantos quanto os da CDU. O PS e a CDU já assumiram publicamente que não aceitam trabalhar com o Chega.

Resultados finais apontam para a vitória do Partido Socialista, na freguesia de Póvoa de São Miguel e com maioria absoluta de 205 votos, seguido do partido Chega, com 122, e a CDU, 65 votos. Na freguesia do Sobral de Adiça a vitória foi para a CDU, com 302 votos, seguindo-se o PS, com 183 votos.

No distrito de Beja o Partido Chega apresentou listas a oito dos 14 municípios alentejanos, mas era no concelho de Moura que este partido jogava o seu trunfo maior, ao pretender eleger André Ventura como presidente da assembleia municipal, tendo falhado nesse objectivo.

O Chega, através do seu representante Rui Valeiras, admitiu, na sequência dos resultados eleitorais, que a sua candidata à liderança da Câmara de Moura, Cidália Figueira, “aceitava trabalhar com todos. Somos pessoas de direita, mas gente de trabalho e democrática.”