Vacinação contra a gripe. Utentes elegíveis serão convocados por SMS, telefonema ou carta

Primeira fase da vacinação gratuita terá início na próxima segunda-feira, 27 de Setembro. Os utentes só poderão receber a vacina contra a gripe depois de um intervalo mínimo de 14 dias em relação à administração da vacina contra covid-19.

Foto
Daniel Rocha

Os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) elegíveis para a vacina contra a gripe vão começar em breve a ser convocados por SMS, telefonema ou carta das unidades de saúde, por idade decrescente. Os centros de vacinação que estão a ser utilizados para administrar as vacinas contra a covid-19 vão também passar a ser usados para vacinar contra a gripe, como confirmou ao PÚBLICO o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, coordenador da task force para o processo de vacinação contra a covid-19 em Portugal na sexta-feira.

De acordo com a norma da Direcção-Geral da Saúde (DGS), publicada este sábado, a primeira fase da vacinação gratuita terá início na próxima segunda-feira, 27 de Setembro, e destina-se à vacinação de pessoas em “determinados contextos”, como residentes, utentes e profissionais de estabelecimentos de respostas sociais (como lares), doentes e profissionais da rede de cuidados continuados, profissionais do SNS e grávidas.

“Em 2021, em contexto de pandemia covid-19, mantêm-se as medidas excepcionais e específicas no âmbito da vacinação gratuita contra a gripe, nomeadamente o início mais precoce, a vacinação faseada e a inclusão na gratuitidade dos profissionais que trabalham em contextos com maior risco de ocorrência de surtos e/ou de maior susceptibilidade e vulnerabilidade”, lê-se na norma da DGS. Em 2020, a campanha de vacinação do Serviço Nacional de Saúde arrancou em 28 de Setembro.

A DGS diz que a vacinação contra a gripe é fortemente recomendada para os seguintes grupos prioritários: pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, doentes crónicos e imunodeprimidos, com seis ou mais meses de idade, grávidas, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados, entre outros grupos (que podem ser consultados aqui). E apesar de ser “fortemente recomendada” para pessoas acima dos 65 anos, a autoridade da saúde diz que também se incentiva a vacinação das pessoas entre os 60 e os 64 anos.

A segunda fase da vacinação, ainda sem data definida para arranjar, incluirá os outros grupos-alvo abrangidos pela vacinação gratuita, incluindo os cidadãos com idade igual ou superior a 65 anos.

Há uma novidade em relação a anos anteriores: os utentes só poderão receber a vacina contra a gripe depois de um intervalo mínimo de 14 dias em relação à administração da vacina contra covid-19, segundo estipula a autoridade de saúde. A vacina da gripe deve ser administrada, de preferência, até ao fim deste ano civil.

2,2 milhões de vacinas

Em entrevista ao PÚBLICO, a 13 de Setembro, Graça Freitas, directora-geral da Saúde, adiantou que Portugal comprou 2,2 milhões de doses da vacina da gripe, aumentando a quota em relação ao ano passado. 

Na norma diz-se ainda que as Administrações Regionais de Saúde (ARS) em conjunto com os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) devem fazer o “mapeamento das pessoas elegíveis em cada região, de acordo com os critérios definidos” para integrar a vacinação gratuita.

“Os pontos de vacinação do SNS, após a validação e actualização das pessoas elegíveis, e consoante a capacidade instalada para vacinação, procedem ao agendamento da vacinação e à convocatória das pessoas, de acordo com os grupos prioritários definidos na presente norma e respeitando o critério de precedência por grupo etário decrescente, e, quando clinicamente fundamentado, a gravidade clínica das patologias definidas”, lê-se no documento da DGS.

Para as pessoas não abrangidas pela vacinação gratuita no SNS, a vacina contra a gripe está disponível nas farmácias comunitárias através de prescrição médica, com comparticipação de 37%, esclarece ainda a norma da DGS, que refere também que as receitas médicas com prescrição da toma da vacina são válidas até 31 de Dezembro. Com Lusa