Despiste de autocarro em Camarate causa 13 feridos ligeiros

Autocarro da Rodoviária de Lisboa que fazia a ligação Sacavém-Campo Grande despistou-se na Rua Campo do Rio, em Camarate. Feridos ligeiros foram todos transportados para o hospital depois de uma breve avaliação médica ter sido feita no local.

Foto
ADRIANO MIRANDA

O despiste de um autocarro de passageiros em Camarate, no concelho de Loures, causou na manhã desta quinta-feira 13 feridos ligeiros, confirmou o comandante Luís Martins, dos bombeiros de Camarate, em directo para a SIC Notícias. Os passageiros saíram todos do veículo pelo próprio pé.

Segundo avançou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa, trata-se de um autocarro da Rodoviária de Lisboa que fazia a ligação Sacavém-Campo Grande. “O despiste ocorreu na Rua Campo do Rio, em Camarate”, disse a fonte.

Às 8h50, estavam no local 26 operacionais e 12 veículos. “Estão elementos dos Bombeiros de Camarate e Sacavém, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e PSP”, indicou a fonte do CDOS de Lisboa.

Por volta das 10h, Luís Martins explicou que estavam a ser reunidas todas as condições de segurança para que depois se procedesse à retirada do veículo. Os elementos presentes estavam a aguardar a chegada da PSP para fazer a segurança do local.

“Foi uma operação muito complexa. Eles estavam todos no interior do autocarro e as equipas conseguiram remover o vidro traseiro e avaliar a situação. Perceberam que não havia nenhum ferido grave e não foram precisos recursos de desencarceramento, porque conseguiram falar com os passeiros, acalmá-los e todos [saíram] pelo próprio pé”, referiu o comandante. 

Os passageiros, incluindo duas crianças, foram transportados para o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, e para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa após uma avaliação médica feita no local, em que foi concluído que todos ficaram apenas com ferimentos ligeiros.

Sobre o que poderá ter causado o despiste deste autocarro Luís Martins apontou para causas mecânicas. “Choveu bastante esta noite e claro que todos os produtos que estejam inseridos no solo vêm à superfície. Não foi encontrado nenhum lençol de água no chão. Provavelmente foi causado ou por uma questão mecânica ou por uma situação de despiste, mas isso só a brigada de trânsito poderá confirmar.”

A operação de remoção do veículo, que poderá demorar várias horas, é da responsabilidade da empresa Rodoviária de Lisboa​, que irá avaliar a melhor forma de proceder.

Notícia actualizada às 10h30 com declarações do comandante Luís Martins