O país não esperou pelo fim das restrições para começar a desconfinar

Não se pode dizer que o país tenha atingido os mesmos níveis de actividade do período pré-pandémico, mas, da saúde ao cinema, passando pelos transportes, a retoma de uma vida mais próxima do normal é já notória em diferentes sectores.

conjuntura,empresas,saude,sociedade,portugal,transportes,
Fotogaleria
, Nicolau Botequilha,Nicolau Botequilha
conjuntura,empresas,saude,sociedade,portugal,transportes,
Fotogaleria
ricardo lopes
conjuntura,empresas,saude,sociedade,portugal,transportes,
Fotogaleria
Nelson garrido

Não foi preciso aguardar pelo levantamento das restrições que o Governo decidirá nesta quinta-feira, nem pela declaração oficial do fim da pandemia para que a normalidade começasse a assomar nos diferentes sectores de actividade. Paulatinamente, mais de 17 milhões de testes à covid-19 depois, e antes mesmo de o primeiro-ministro, António Costa, anunciar a entrada na terceira fase do levantamento das restrições, que permitirá, por exemplo, o fim dos limites máximos de pessoas nos restaurantes, cafés e pastelarias e a retoma da actividade de bares e discotecas (ainda que de entrada condicionada à apresentação de certificado digital de vacinação ou de um teste negativo), o país foi acordando nos últimos meses da longa hibernação ditada pelo novo coronavírus.