Os proletários da arte

O jornal francês Le monde publicou recentemente um trabalho de reportagem feito pela jornalista Roxana Azimi, especialista no mercado da arte, pelo qual ficámos a saber que Damien Hirst tinha despedido 63 dos seus cerca de 180 assistentes (esta notícia coincide com uma exposição deste artista inglês na Fundação Cartier, em Paris). Damien Hirst é uma superstar da arte contemporânea, algumas das suas obras foram vendidas por milhões de libras e não há grande coleccionador que não tenha pelo menos uma na sua colecção.