Como calcular o risco de ficar infectado? Os peritos esclarecem o que se deve, ou não, fazer para evitar o contágio

Ainda que algumas restrições possam permanecer obrigatórias, os especialistas defendem que seja dada mais autonomia aos portugueses. Com ela acresce também a responsabilidade. Quer isto dizer que cada cidadão tem a escolha de adoptar comportamentos arriscados ou cautelosos. Mas, quais são quais?

Foto
A vacinação completa é o principal factor que diminui o risco de contrair o novo coronavírus Paulo Pimenta

A situação epidemiológica de Portugal, sob avaliação pelos peritos durante a reunião no Infarmed esta quinta-feira, não deixa dúvidas de que o país caminha para um momento de maior libertação, à medida que se aproxima da meta de 85% da população completamente imunizada e regista internamentos e uma reprodução viral cadentes. O grupo liderado pela pneumologista Raquel Duarte sugere que se levante o peso da obrigatoriedade das medidas restritivas, passando para a responsabilidade cívica de cada um.