Há muito circo contemporâneo para ver em Gaia. É o Cupula e é grátis

Entre os dias 16 e 19 de Setembro, o festival vai apresentar companhias de circo portuguesas. Continua depois com uma programação online, entre os dias 22 e 24 de Setembro.

Foto
Cupula

A terceira edição do Cupula Circus Village Festival está de volta a Arcozelo, em Vila Nova de Gaia, entre os dias 16 a 19 de Setembro e traz uma programação dedicada ao circo contemporâneo. Este ano, a novidade é a aposta nas companhias de circo sediadas em Portugal, uma forma de apoiar os artistas e a cultura nacional no pós-pandemia.

Depois de um ano de interrupção devido à covid-19, a primeira vila de circo em Portugal regressa com espectáculos, masterclasses, ateliers de circo, performances de rua, concertos, intercâmbios de escolas de circo, cinema, uma conferência e uma exposição de fotografia, todos de entrada gratuita. “Como a cultura foi muito afectada pela pandemia, decidimos reprogramar o festival e ajudar este sector”, comenta Bruno Machado, artista de circo e membro da direcção artística do festival. 

Apesar de este critério restringir a presença de companhias estrangeiras, vão actuar artistas de várias nacionalidades e, inclusive, foi firmada uma parceria com um projecto internacional – o Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), a escola espanhola Carampa e a escola francesa Lomme Lille trazem cinco alunos cada para um encontro onde irão partilhar os seus processos de criação. Estão ainda programados espectáculos de, entre outros, Erva Daninha, Companhia Absurda e Nuvem Voadora.

Das actividades agendadas para o festival, o organizador destaca a exposição de fotografia Circus Life, da autoria de Francisco Salgueiro. Durante cinco anos, o fotógrafo visitou mais de 30 circos e, agora, apresenta o seu trabalho sobre a vida destes artistas. Bruno Machado salienta ainda a programação ligada à sétima arte, o Cine Circo, em que vão ser exibidos filmes e documentários sobre circo.

Este ano, numa espécie de projecto-piloto, o festival decidiu também organizar uma programação online, que decorre nas redes sociais do Cupula, entre os dias 22 e 24 de Setembro. Esta fase final do festival vai apresentar ao público o trabalho de artistas emergentes do INAC, fundado por Bruno Machado.

A celebrar a terceira edição, o festival “já estava na gaveta há algum tempo”, diz o organizador, acrescentando que foi com o convite da Junta de Freguesia de Arcozelo que ganhou vida. O Cupula é organizado pelo INAC e conta com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia. A entrada é gratuita, contudo, vai haver um posto de informação no local do festival, onde as pessoas podem pedir os seus bilhetes, uma hora e meia antes de cada espectáculo.

Texto editado por Amanda Ribeiro