“Há falta de água em Santa Clara, mas a uns cortam e a outros deixam aumentar?”

Num contexto de seca, a Associação dos Beneficiários do Mira foi autorizada a expandir a área elegível para rega dos grandes produtores de uma monocultura intensiva. Passados dois anos, limitou o acesso à água da Barragem de Santa Clara. Ao impor uma tabela por hectare, a decisão afecta mais os pequenos agricultores, obrigados a cortar na sua agricultura de subsistência na campanha de 2021.

sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
Maria Antónia Cortes faz os Cabazes da Horta para vender nas aldeias de Santa Clara
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
José Monchiquense mudou-se para o monte de Manteiga Nova vindo de Monchique onde nasceu
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
Mário Rui Guerreiro trabalhou na construção civil antes de ser pastor
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
Manuel Lourenço e a mulher Felicidade esperam pela chuva do Inverno
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
A Associação dos Beneficiários do Mira administra a água da barragem
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
Os rios Mira e Torto abastecem a Barragem de Santa Clara
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
A água da barragem abastece a rega das monoculturas intensivas do litoral
sociedade,agricultura,alentejo,ambiente,barragens,agua,
Fotogaleria
Na aldeia de Santa Clara-a-Velha, os moradores reclamaram e água foi reposta no caudal do rio

A vida dos pequenos agricultores nas terras do rio Mira deu muitas voltas, antes e depois da construção da Barragem de Santa Clara, nos anos 1960, quando a chuva dava à terra o que ela precisava. Mais tarde, quando pela primeira vez conheceram a seca, valeu-lhes aquilo que trazia a barragem. A água era distribuída e paga. 

Sugerir correcção
Ler 16 comentários