Fernando Santos antecipa mudanças frente ao Qatar

Seleccionador garante, ainda assim, que a equipa actuará dentro dos princípios que a regem, independentemente da ausência de Cristiano Ronaldo.

Foto
Fernando Santos criticou novo calendário de jogos LUSA/RICARDO NASCIMENTO

O seleccionador Fernando Santos antecipou esta sexta-feira a renovação do “onze” no particular de amanhã com o Qatar, de forma a deixar a equipa mais fresca para o compromisso de terça-feira, no Azerbaijão, de qualificação para o Mundial 2022.

"Não é possível aos que actuaram na última jornada estarem neste jogo. Entrarão alguns, seguramente. Temos seis substituições, vamos tentar gerir tudo de forma a poderem estar frescos frente ao Azerbaijão", disse o seleccionador em conferência de imprensa de antevisão ao encontro na Hungria, após o treino matinal em que Pepe e Palhinha estiveram ausentes.

O seleccionador revelou que estes dois jogadores sofreram hematomas, mas que “em dois ou três dias poderão voltar à competição. O Palhinha talvez mais rápido do que o Pepe", mas ambos estarão disponíveis para o jogo de terça-feira.

Fernando Santos garantiu que o jogo da equipa não mudará apesar da ausência de Cristiano Ronaldo, dispensado depois de ter visto um cartão amarelo na sequência dos festejos do golo que deu a vitória a Portugal frente à República da Irlanda.

"A forma de jogar da equipa será a que sempre teve, ou a que procuramos que tenha. Nem sempre corre como queremos, as coisas nem sempre funcionam todas como pretendemos", lamentou, lembrando que, nesta fase, os jogadores vêm dos seus clubes com “rotinas completamente distintas, pensamentos de jogo diferentes de equipa para equipa, posicionamentos diferentes em campo, interligações diferentes”.

O seleccionador criticou o novo calendário de competições das selecções, que as obriga a disputar três partidas numa semana.

"Estas janelas de selecção não fazem muito sentido, na minha perspectiva. Até aqui, nunca se jogou assim. Uma janela era sempre de dois jogos, sempre jogávamos na sexta ou no sábado o que, pelo menos, dava dois ou três dias para sistematizar, pensar no adversário e olhar para o que temos de fazer e rectificar. Agora, chegámos aqui, não treinámos nenhuma vez, fizemos um treino curto e vamos ter uma viagem de três horas e meia”, explicou.

O seleccionador quer “uma equipa em posse, com dinâmica, a aumentar a capacidade de circulação de bola, mais rápida, mais objectiva”, mas também a jogar equilibrada, até porque o número de golos sofridos nos últimos jogos é “anormal”.

"Não temos sido, ultimamente, uma equipa muito equilibrada em todos os momentos do jogo. Esta é uma equipa que sofre poucos golos. Mas, nos últimos quatro jogos, sofremos oito golos, o que é completamente anormal para Portugal, que normalmente em dez jogos sofria sete golos. Tem faltado equilíbrio na equipa”, considerou Fernando Santos.

Em relação ao Qatar, que na quarta-feira foi goleada, num jogo particular, pela Sérvia (0-4), o seleccionador português frisou que esse jogo não permite tirar ilações sobre o real valor do adversário.

"É uma equipa que está a ser preparada para o Campeonato do Mundo há seis anos. Se olharmos para os 20/30 últimos jogos, é praticamente sempre a mesma equipa. Neste jogo com a Sérvia, revelaram alguns aspectos que nunca mostraram, principalmente na acção defensiva. Mas é sempre uma equipa muito bem estruturada defensivamente, muito organizada e com jogadores rápidos no contra-ataque”, sublinhou.

Portugal defronta o Qatar no Estádio Nagyerdei, em Debrecen, pelas 17h45, num encontro que será dirigido pelo húngaro Grego Bogár, retomando a qualificação na terça-feira, com o Azerbaijão, em Baku, em jogo da quinta jornada.

Portugal lidera o grupo A, com 10 pontos, mais três do que a Sérvia, enquanto o Luxemburgo, que venceu o Azerbaijão, por 2-1, é terceiro, com seis, seguindo-se irlandeses e azeris, sem qualquer ponto.