Município investiga morte de animais no Jardim de Arca D’Água

Cinco patos e uma pomba apareceram mortos no lago do jardim histórico do Porto. DGAV recomendou realização de análises. Cidadãos que alertaram para problema falam em falta de manutenção. “Este jardim é completamente negligenciado”

Foto
Animais mortos foram recolhidos pelo CROA no domingo passado

A Direcção-Geral da Alimentação e Veterinária (DGAV) recomendou à Câmara do Porto que realizasse análises aos cadáveres dos animais que no dia 1 de Agosto foram encontrados no lago do jardim de Arca d’Água. O alerta para o problema surgiu de um grupo de moradores da zona que costuma encontrar-se naquele jardim para passear os cães: ao avistarem os animais - três a boiar no lago, já mortos, e outro com a cabeça afundada em água e visivelmente em mau estado –, contactaram a PSP e o CROA (Centro de Recolha Oficial de Animais). E agora juram não deixar cair o assunto.  

No local foram recolhidos “cinco cadáveres de patos e uma pomba”, confirmou a autarquia questionada pelo PÚBLICO. E o acontecimento está a ser analisado: “Dada a anormal quantidade de cadáveres recolhidos, foi já informada a DGAV que recomendou a realização de análises aos cadáveres por forma a despistar eventual surto ou doença”, acrescenta.

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Maria Alvarez mora em frente ao jardim há vários anos. No passado domingo, no habitual passeio com os vizinhos, deparou-se com um cenário “horrível”. Mas, apesar disso, não completamente surpreendente. “Há dias que reclamávamos que a água cheirava a corpos em putrefação”, conta. As queixas não se ficam, aliás, pela falta de limpeza do lago. “Este jardim é histórico e é muito negligenciado pela câmara”, acusa Maria, dizendo que é frequente haver lixo no chão, baldes de papéis arrancados, bancos partidos e ainda falta de policiamento. “Parece que está ao abandono e que está cada vez pior. Este presidente só se preocupa com a zona dos ricos.”

Desde domingo que a moradora tem mantido contacto com a autarquia, o CROA e várias associações e, em nome de vários moradores empenhados em garantir a segurança no jardim, promete não baixar os braços. “Neste momento, a nossa maior preocupação é o lago ser esvaziado o mais depressa possível. As águas paradas podem não só matar os restantes animais como causar doenças em quem passeia no parque”, continua Maria Alvarez.

Ratos, lixo e outras complicações

Nas últimas semanas, vinham aparecendo vários ratos e ratazanas mortos no jardim – o problema da presença de roedores é, aliás, uma das queixas recorrentes – e agora os moradores (que têm até uma página no Facebook denominada Amigos do Jardim de Arca d’Água) suspeitam que possa estar aí a origem do problema. “Quando se coloca veneno, os ratos tentam muitas vezes fugir para a água e podem ter contaminado o lago. Se foi a autarquia não avisou e é crime, se foi outra pessoa é crime também.”

A Câmara do Porto garante que “não houve qualquer acção de controlo de pragas nesse local” promovida pelo município e fala numa “manutenção diferenciada com uma frequência elevada” do jardim, tendo a última ocorrido em Junho. “As intervenções no lago incluem a manutenção das suas margens e o esvaziamento e limpeza da superfície, após o seu esvaziamento”.

Maria Alvarez contesta. “É mentira. Há dois anos que este lago não é limpo. Só limpam em Julho, porque em Agosto existe a festa da Nossa Senhora da Saúde. Mas por causa da pandemia não houve festa nem neste ano nem no ano passado.”

A Câmara do Porto insiste que a empresa municipal Águas do Porto faz com frequência análises laboratoriais da água de todos os lagos dos jardins da cidade e diz estar a fazer “todos os esforços para encontrar a causa deste incidente pontual e tomar as medidas corretivas consideradas necessárias”.