Árvores na Morais Soares, economia circular no Rato: as ideias dos lisboetas para a cidade

Num ano atípico em quase tudo, o Orçamento Participativo vai financiar 23 projectos ligados ao clima, ao desporto, à mobilidade e alimentação.

Foto
Praticamente vazio há vários anos, o Mercado do Rato tem agora uma proposta de uso Miguel Manso

Chama-se Reviravolta e é precisamente isso que se propõe para um local que há vários anos vagueia sem destino certo. O Mercado do Rato pode em breve vir a tornar-se num pólo de economia circular em Lisboa, dando uma volta aos objectos estragados e fora de moda para lhes dar uma nova vida e, pelo caminho, virar do avesso o espaço de onde os comerciantes desapareceram há muito.

Reviravolta foi o projecto mais votado na edição de 2021 do Orçamento Participativo (OP), arrecadando 1474 votos dos lisboetas. Tal como as outras 22 ideias vencedoras, encontra-se ainda “em estudo” pela Câmara de Lisboa, que este ano procurava sobretudo propostas relativas ao combate às alterações climáticas, redução da poluição, energias renováveis, mobilidade sustentável, alimentação e prática desportiva.

O projecto para o Rato toca em vários destes pontos. Os promotores propõem realizar ateliers e formações sobre costura, reparação de coisas que já não funcionam e reconversão de plástico em novos objectos. Querem também ter ferramentas à disposição da vizinhança, criar uma horta comunitária e um compostor, lançar uma rádio para divulgação e envolver as escolas.

Com um orçamento estimado de 75 mil euros para dois anos, o Reviravolta será um dos contemplados com as verbas que a câmara anualmente destina ao OP. Foram 2,5 milhões de euros em 2021, como em anos anteriores, falhando assim a promessa de que o montante seria duplicado.

Como em tudo, o ano foi atípico no OP. Em plena pandemia foram apresentadas 252 propostas, muito abaixo dos números de edições anteriores, e 75 passaram à fase de votação final, o que também é um valor invulgarmente baixo. Nas votações, nenhum projecto se aproximou dos números obtidos em 2018/2019, quando a estátua de homenagem ao Pupilo do Exército conquistou 5591 votos. Nessa edição, só a sexta proposta mais votada (monumento a Aristides de Sousa Mendes) ficou abaixo dos 2000 votos.

Em 2021, o outro projecto com mais de 1000 votos, posicionando-se como o segundo mais apoiado, foi o Roller Skate Circle. Trata-se de uma proposta para criar uma zona com pavimento liso onde os lisboetas possam fazer patinagem recreativa. Espaços deste género existem em várias cidades do mundo e são, afiança o promotor, relativamente fáceis de criar: basta ter um local amplo com cimento, sem pedrinhas, sem folhas, relevos ou vegetação. A câmara parece até já ter encontrado o sítio ideal, junto ao Casal Vistoso.

Ao contrário de edições anteriores, desta vez as bicicletas não têm grande destaque na lista de 23 propostas vencedoras. O projecto que recebeu aprovação para avançar, com 622 votos, visa promover as deslocações velocipédicas entre os alunos das escolas de Benfica e São Domingos de Benfica.

Já no Parque das Nações vingaram as propostas dos skaters, que querem ver melhorado e ampliado o skate park que existe junto à Ponte Vasco da Gama. Lembrando que a modalidade se estreou este ano nos Jogos Olímpicos, os promotores sugerem a criação de uma nova área para a prática deste desporto e a correcção de alguns obstáculos que lá estão criados.

Ainda no âmbito desportivo venceram o OP os projectos de criação de uma nova rampa para barcos à vela na Doca de Belém (911 votos), a transformação de um parque de estacionamento em campo de basquete no Parque das Nações (399 votos), a instalação de mesas de xadrez (288 votos) e de ténis de mesa (266 votos) em vários locais da cidade e a aquisição de equipamentos para a Escola Básica Quinta de Marrocos, em Benfica (208 votos).

No que ao espaço público diz respeito, a requalificação da Estrada de Benfica no troço entre a igreja e a Av. do Uruguai, com o seu encerramento ao trânsito automóvel e a plantação de árvores, foi um dos projectos vencedores, com 356 votos. Também para a Rua Morais Soares e Av. Afonso III existe um projecto com plantação de árvores, ordenamento do estacionamento e criação de faixas bus que recebeu 221 votos. Igualmente vitoriosa saiu a pretensão de criar uma praça com pouca circulação automóvel junto à Escola Básica do Parque das Nações (212 votos), assim como a ideia de recuperar o forte de Santa Apolónia para jardim público (177 votos).

Na mesma linha do Reviravolta existe outro projecto, mas para o Lumiar: chama-se ReCoopera e obteve 408 votos. A instalação de um ecoponto que triture plástico no Mercado do Forno do Tijolo arrecadou 566 votos e a proposta de criar pequenas florestas urbanas teve o apoio de 480 pessoas.