A máscara da morte vermelha

A irremediável ambiguidade das imagens de uma mise en scène de Estado.

siberia,critica,estado,cinema,culturaipsilon,azerbaijao,
Fotogaleria
siberia,critica,estado,cinema,culturaipsilon,azerbaijao,
Fotogaleria
siberia,critica,estado,cinema,culturaipsilon,azerbaijao,
Fotogaleria
siberia,critica,estado,cinema,culturaipsilon,azerbaijao,
Fotogaleria
Fotogaleria
Funeral de Joseph Stalin
Fotogaleria

Funeral de Estado recupera imagens de arquivo dos dias das exéquias de Estaline, umas a preto e branco, outras a cores. E nestas, nas coloridas, aquilo em que é impossível não reparar é no vermelho. No vermelho, eventualmente (e nalgumas imagens, certamente) “puxado” pelo trabalho de recuperação digital, que faz um contraste incrível com a meteorologia pardacenta do fim do inverno russo (tudo se passa nos primeiros dias de Março), com a dominante cinzenta das cidades industriais da Rússia e de outras repúblicas da URSS (as imagens vão de Minsk a Vladivostoque, passando pelo Azerbaijão, pela Sibéria, e mais além), e até, nalguns casos, com o tom acastanhado que era característico do “sovietcolor” (o processo de cor empregue pelo cinema da URSS, com que presumivelmente estas imagens foram filmadas).