Seul e Pyongyang restauram comunicações cortadas há mais de um ano

“As chamadas telefónicas e os faxes para troca de documentos com a Coreia do Norte funcionam agora normalmente”, declarou o Governo sul-coreano.

Foto
As comunicações entre as duas Coreias foram cortadas no Verão passado por Kim Jong-un Reuters/KCNA

A Coreia do Sul e a Coreia do Norte restauraram esta terça-feira os canais de comunicação entre os dois países, cortados há pouco mais de um ano depois de Pyongyang ter ameaçado desmantelá-los em protesto pelo lançamento de propaganda por parte de Seul na fronteira entre as duas nações, no paralelo 38.

De acordo com várias fontes citadas pelo jornal sul-coreano Hankyoreh, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, chegaram a este acordo como “uma expressão de uma forte vontade de quebrar o gelo e reiniciar um processo de reaproximação entre as duas Coreias.”

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul indicou em comunicado que “as autoridades militares da Coreia do Sul e da Coreia do Norte restauraram as suas linhas de comunicação e voltaram às operações normais a partir das 10h00 (hora local) de terça-feira, em aplicação do acordo entre os líderes.”

“As chamadas telefónicas e os faxes para troca de documentos com a Coreia do Norte funcionam agora normalmente”, declarou o Governo de Seul, antes de acrescentar que os dois países concordaram em manter conversas telefónicas duas vezes por dia, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O Ministério da Defesa sul-coreano destacou que “a linha de comunicação ocidental funciona bem, embora haja problemas técnicos na ligação oriental, mas continuamos a trabalhar para restaurá-la “, acrescentou.

A Coreia do Sul informou ainda que as comunicações por rádio entre os navios das duas Coreias por meio da rede de comunicação da marinha mercante também estão a operar normalmente.

Foi também confirmado o restabelecimento das ligações a partir de Pyongyang, com a agência de notícias oficial norte-coreana (KCNA) a adiantar que o acordo foi alcançado após a troca de “cartas pessoais” entre os dois dirigentes.

Após um período de relativa acalmia, as relações entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte voltaram a ficar tensas no Verão passado quando grupos de desertores norte-coreanos lançaram panfletos de propaganda na fronteira entre os dois países. O incidente levou Kim Jong-un a cortar as linhas directas de comunicação com Seul.