A pandemia acentuou as desigualdades, mas o Estado fica bem na fotografia

O relatório “Governar em estado de emergência”, elaborado pelo ISCTE para avaliar o estado da nação em 2021, revela velhas fragilidades, novos problemas e a resposta surpreendente da administração pública.

Foto
A operação logística da vcinação é apontada como exemplo positivo Daniel Rocha

Toda a análise sobre o estado da nação e as políticas públicas relativa ao último ano gira em torno da resposta à pandemia, mas isso “não elimina a margem de manobra do Governo” nem pode ser factor de “desresponsabilização política”. Este é o ponto de partida do relatório do Instituto para as Políticas Públicas e Sociais (IPPS) do ISCTE sobre o estado da nação e as políticas públicas em 2021. Nas conclusões, há uma inevitabilidade, uma surpresa e uma incógnita: se já era previsível que a pandemia tivesse exposto as fragilidades do país e acentuado as desigualdades, surpreendente é a “notável” capacidade de adaptação dos serviços da administração pública. A incógnita diz respeito às “cicatrizes” que os estados de emergência (“hard” ou “soft”, como o que se vive hoje) vão deixar na pele da democracia.