Um Airbnb do teletrabalho? Start-up portuguesa prepara rede de escritórios em hotéis

A pandemia revolucionou o teletrabalho e a Krow prepara-se para revolucionar a ideia de escritório remoto: desenvolveu uma aplicação que permite escolher todos os dias um hotel diferente para trabalhar remotamente. Projecto arranca em Setembro e, para começar, haverá doze opções pelo país.

Foto
Vila Galé de Sintra é um dos hotéis aderentes. Lounge pode ser usado para trabalho remoto. DR

Já pensou como seria poder trabalhar durante a manhã a partir de um hotel como o Penha-Longa Resort, com a paisagem da serra de Sintra a servir-lhe de inspiração, e à tarde, antes de reunir com um cliente em Lisboa, acabar de escrever a proposta comercial no lounge do Sofitel Lisbon​, na Avenida da Liberdade?  Desde que o orçamento o permita, este teletrabalho de luxo vai ser mais fácil de gerir e, promete-se, mais em conta.

É este mundo de possibilidades quase infinitas que a Krow quer implementar com um serviço de trabalho remoto feito a partir das unidades hoteleiras e que a startup designa de lifestyle offices. O conceito inspira-se em práticas existentes noutros países, nomeadamente nos Emirados Árabes Unidos, que Paulo Palha, co-responsável da empresa, visitou em 2019, juntamente com a esposa, Joana Balaguer, uma actriz luso-brasileira que é também a sua cara-metade neste negócio.

A ideia foi parar à lista de projectos com potencial do casal de empreendedores e ali permaneceu até ser repescada no final de 2020. O aparecimento do novo coronavírus acabou por ser determinante: “Se este conceito já fazia sentido antes, agora tem tudo para vingar”, diz o co-fundador da Krow à Fugas. A empresa fala mesmo que está em curso uma “revolução no trabalho” que a pandemia veio acelerar. O nome escolhido para o projecto – um anagrama de work – vinca isso mesmo: o mundo profissional está a ser virado do avesso e o teletrabalho está cada vez mais na ordem do dia.

Um estudo recente feito pela Buffer e AngelList, e citado pela Krow num comunicado, revela que 98% das pessoas que passaram a trabalhar em sistema remoto durante os confinamentos afirmam querer manter essa modalidade. Ou seja, a experiência de teletrabalho resultante da pandemia veio para ficar e os impactos vão ser profundos, vaticina Paulo Palha: “O trabalho remoto vai mexer com tudo. Vai descongestionar as cidades, alterar a forma como os bairros funcionam e diminuir a necessidade de comutação diária entre a casa e o local de trabalho.”

No entanto, se é verdade que há uma atracção cada vez maior pela possibilidade de trabalhar remotamente, o mundo doméstico nem sempre é o contexto adequado para tal, pelo menos para alguns teletrabalhadores: em geral, as pessoas confrontam-se muitas vezes com problemas de falta de espaço em sua casa, onde também se distraem facilmente e, pior que tudo, sentem-se isoladas do ponto de vista social: “muita gente diz que a casa em vez de um ‘home-office’ é um ‘hell-office'”, sintetiza o empresário. O desafio passa assim por perceber “como este trabalho remoto pode ter qualidade para as pessoas”, porque ele veio para ficar e “não será algo pontual, mas de médio e longo prazo”.

Hotéis abertos à comunidade

É aqui que entram os hotéis. Tradicionalmente, estas infra-estruturas estão associadas a dormidas, viagens e eventos corporativos. Contudo, o seu papel “na sociedade está a mudar”, vinca Paulo Palha e, no futuro, terão “que servir as comunidades locais” de forma a garantir ganhos de eficiência: “Os hotéis urbanos têm picos ao pequeno-almoço e a partir do final da tarde. No intervalo temos mesas, cadeiras, wi-ficlimatizaçãoiluminaçãostaff, todo um conjunto de recursos que estão a ser desaproveitados. Porque não rentabilizá-los?”. Até porque cada vez que “alguém entra num hotel geram-se oportunidades: posso oferecer comidas e bebidas, serviços, locais para eventos, vender um fim-de-semana com a família. Há aqui uma ocasião que os hotéis podem abraçar”. Estes não deixarão de “ser o que sempre foram”, mas devem estar cada vez mais atentos, adianta o empresário, a este tipo de serviços complementares.

Em Dezembro de 2020, quando Paulo e Joana começaram a fazer os contactos exploratórios para o projecto, encontraram um sector “devastado pela pandemia” e “muitos semblantes carregados", recorda o responsável da Krow. Houve mesmo alguma dificuldade inicial em passar a mensagem, o que é natural, reconhece Paulo Palha, pois não existe grande abertura para “um conceito novo quando a tolerância ao risco é mínima”, como era o caso. Aos poucos, porém, a proposta começou a suscitar interesse e já aderiram 12 unidades hoteleiras, representativas de diversas regiões do país, havendo mais algumas em perspectiva.

Os responsáveis do sector, diz o empresário, começam a perceber que “o mercado está a transformar-se” e que é necessária “uma nova forma de trabalhar”. Pensar diferente é também cada unidade hoteleira olhar para as restantes não apenas em termos concorrenciais, mas também de complementaridade de ofertas: “Acho que a força está em agir numa lógica de rede. No nosso modelo, o cliente pode estar hoje em Cascais, amanhã em Lisboa, Évora, ou o que for. É aí que está a força da proposta para o usuário”.

Os serviços da Krow funcionam, para já, num sistema de assinaturas mensal, que permite aos clientes aceder à utilização de espaços de trabalho numa rede de hotéis espalhada pelo país, com diversas ofertas associadas como café, chá ou água em regime complimentary, wi-fi, descontos na compra de comida e bebida, e até, nalguns hotéis, entrada em ginásio e parque de estacionamento gratuitos. Adicionalmente, em cada local haverá uma caneca amarela à espera do cliente, que permite identificar os membros da Krow. “Queremos apostar no conceito de remote networking e construir uma comunidade. Vamos investir em eventos que juntem os vários clientes, porque todos temos essa necessidade de pertença”.

Foto
Teletrabalho a partir de casa é um desafio para as famílias. Ricardo Lopes

Neste momento, o projecto encontra-se ainda em fase de testes com alguns convidados e a partir de Setembro deverá arrancar em pleno. Nessa altura, será lançada em definitivo uma aplicação para telemóvel que permite a cada cliente fazer reserva para as vagas disponíveis nos hotéis e gerir a sua assinatura. “A nossa oferta não pretende ser um substituto do escritório. Não é para pessoas que queiram entrar às 9h e sair às 17h, ficando sempre no mesmo local”, clarifica Paulo Palha, para quem esta é uma característica que diferencia o sistema Krow das propostas habituais de coworking.

A desmaterialização das empresas

Paulo Palha, porém, quer ir ainda mais longe e pôr os empresários a repensar a sua forma de trabalhar: “Será que as empresas precisam de espaço físico, de escritórios que têm taxas de ocupação muito baixas? Muitas empresas estão a repensar as suas necessidades de metro quadrado de escritório”. A Krow pensou um produto especificamente para as empresas: uma subscrição para um grupo de trabalhadores (mínimo 3), que inclui o chamado team-day, um micro-evento para equipas que pode ter uma base ocasional ou regular e alternar de localização, com um pacote de produtos como coffee break, almoço, entre outros extras. A ideia é oferecer às organizações condições para estas aplicarem um modelo híbrido (que conjugue actividade presencial e remota).

Apesar de todo o trabalho já feito, Paulo Palha admite que há ainda um longo caminho a percorrer: “Os hotéis não são lugares de trabalho por excelência”. Estão preparados em termos ergonómicos para o lazer, mas não para o trabalho. É preciso fazer ajustes de mobiliário, facilitar acesso a tomadas, e acautelar toda uma panóplia de detalhes. O período da pandemia tem criado dificuldades acrescidas, porque os hotéis por vezes fecham e não sabem quando vão reabrir, uma sombra de incerteza que ainda não foi totalmente dissipada. Paulo Palha admite mesmo que foi um “bocadinho surrealista” lançar o projecto nestas condições. “Chegámos a visitar hotéis de lanterna na mão”, recorda.

Para o empresário, que trabalha remotamente desde 2009, este modelo já demonstrou, porém, que é capaz de reunir o melhor de dois mundos: “Às vezes sinto que trabalho bem em casa, mas noutras ocasiões quando me ponho a trabalhar a partir de fora parece que tenho ideias novas, que vejo as coisas de uma perspectiva diferente e consigo oxigenar a cabeça. Olhar para uma montanha, respirar ar puro, permite-me ver as coisas de outra forma. Por vezes, subestimamos isso, mas tem um impacto imenso”.