“Mais de 100 mil pessoas terão morrido quando a chama dos Jogos Olímpicos for extinta”, prevê líder da OMS

Tedros Adhanom Ghebreyesus sublinha que a pandemia não acabou e que o mundo está a falhar no seu combate. “A tragédia desta pandemia é que ela poderia estar sob controlo agora, se as vacinas tivessem sido distribuídas de forma mais equitativa.”

Foto
Tedros Adhanom Ghebreyesus falava na reunião do Comité Olímpico Internacional (COI), em Tóquio Reuters/POOL New

“A pandemia é um teste e o mundo está a falhar”, é esta a resposta que Tedros Adhanom Ghebreyesus o director da Organização Mundial da Saúde à pergunta: “quando é que a pandemia vai acabar?”. Na reunião do Comité Olímpico Internacional (COI), em Tóquio, Ghebreyesus começou o seu discurso com uma previsão: até ao final dos Jogos Olímpicos vão morrer de covid-19 mais de 100 mil pessoas.

“Mais de 4 milhões de pessoas morreram e mais vão continuar a morrer. O número de mortes deste ano é mais do dobro do total do ano passado. No tempo que demoro a fazer estas observações, mais de 100 pessoas perderam a vida para a covid-19. E quando a chama olímpica for extinta, no dia 8 de Agosto, mais de 100.000 pessoas terão morrido”, avisou.

O director da OMS acrescenta ainda que quem acha que a pandemia acabou, vive num mundo e num “paraíso de tolos”. “As vacinas não eram destinadas a apagar as chamas da pandemia? Sim, e nos países com mais vacinas, elas estão a ajudar. Mas o problema é como o inferno: se apenas apagarmos uma parte dele, o resto continuará a queimar. E as brasas da fogueira podem facilmente acender outra chama ainda mais feroz noutro lugar. A ameaça não termina em lugar nenhum até que esteja terminada em todos os outros lugares”, lembra.

Tedros Ghebreyesus admite que é uma “terrível injustiça” que 75% das vacinas administradas no mundo, até agora, tenham sido em apenas 10 países. “Nos países mais pobres, apenas 1% da população recebeu pelo menos uma dose, em comparação com mais da metade das pessoas dos países desenvolvidos. Alguns dos países mais ricos estão a falar numa terceira dose de reforço, enquanto profissionais de saúde, idosos e outros grupos vulneráveis ​​no resto do mundo continuam sem protecção”.

O objectivo do Fundo Monetário Internacional, do Banco Mundial e da Organização Mundial do Comércio é vacinar pelo menos 10% da população do mundo até Setembro, pelo menos 40% até o final deste ano, e 70% até meados do ano que vem. “Nenhum de nós está seguro até que todos nós estejamos seguros. A tragédia desta pandemia é que ela poderia estar sob controlo agora, se as vacinas tivessem sido distribuídas de forma mais equitativa”, sublinhou o director da OMS, acrescentando que não só as vacinas são uma “ferramenta eficaz” para o controlo da pandemia, mas também as medidas de saúde pública.

“Embora a covid-19 possa ter adiado os jogos, não os derrotou”, diz, elogiando os planos, as precauções e os sacrifícios do COI, do governo e o povo do Japão. “As escolhas que todos nós fazemos - como governos, organizações e indivíduos - aumentam ou diminuem o risco, mas nunca os eliminam completamente”, alerta.

“Na próxima quinzena, o foco dos atletas será em realizar as suas melhores actuações para triunfar para si e para as suas nações”, diz, acrescentando que para isso é necessário “velocidade, força e habilidade. Mas também exige determinação, dedicação e disciplina. “O mesmo serve para nós. O foco deve ser fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para triunfar sobre a pandemia, com determinação, dedicação e disciplina”, diz. “Não estamos numa corrida uns contra os outros. Estamos numa corrida contra o vírus, um vírus muito perigoso. A pandemia é uma grave crise de saúde, mas é muito mais que isso. É mais do que um teste de ciência: é um teste de carácter.

Tedros Ghebreyesus deixa ainda uma mensagem para os governos, empresas, para a sociedade civil e para todas as pessoas do mundo: “Todos os dias, as escolhas que fazemos como indivíduos podem ser a diferença entre a vida e a morte, como ficar em casa, manter distância dos outros, usar máscara, abrir a janela e limpar as mãos”, diz. “Os Jogos Olímpicos reúnem as nações do mundo numa competição, para que os atletas vencerem o lema olímpico de mais rápido, mais alto, mais forte - juntos. Esse lema aplica-se igualmente à nossa luta contra a crise definidora de nosso tempo: devemos ser mais rápidos na distribuição de vacinas em todo o mundo.

Cerca de 34% da população do Japão já recebeu pelo menos uma dose de uma vacina contra o coronavírus, mas muitos estão preocupados que as Olimpíadas possam tornar-se um evento superpropagador do vírus. O número de infecções relacionadas aos Jogos Olímpicos actualmente é de 79.

“Que estes Jogos sejam o momento que une o mundo e acenda a solidariedade e a determinação de que precisamos para acabar com a pandemia juntos, vacinando 70% da população de todos os países até meados do próximo ano. E que os raios de esperança desta terra do sol nascente iluminem um novo amanhecer para um mundo mais saudável, seguro e justo”, conclui.