Aguentar! O colonialismo salazarista no quadro da descolonização do pós-guerra

O despudor salazarista na procura de argumentos para contradizer as críticas internacionais foi ao ponto de ver Franco Nogueira (ministro dos Negócios Estrangeiros, 1961-69) assegurar que “fomos nós, e só nós, que trouxemos à África a noção de direitos humanos e de igualdade racial” (1967).

Foto
Grupo de nacionalistas indianos que participou na revolta de Dadrá, em 1954, acção que resultou na saída das autoridades portuguesas deste enclave, onde estavam desde 1783 Bettmann Archive/Getty Images

Ao contrário do que se possa pensar, em 1945 não era líquido que a descolonização ia começar. As potências coloniais europeias tinham aprendido com as duas guerras mundiais que lhes era necessário intensificar a exploração colonial, sob a forma de apropriação de recursos, do trabalho forçado como forma sistémica de produção e da mobilização de homens para a frente de batalha. Perante os desafios do pós-guerra a sua atitude não mudou. Quatro das cinco principais potências coloniais saíram da guerra do lado dos vencedores: os dois maiores impérios da história (o britânico e o francês), a Holanda e a Bélgica. Só à força sairiam dos territórios que ocuparam desde o séc. XVIII.