Presidente de Cuba culpa EUA pelos protestos, aumentam as denúncias de violência policial

Miguel Díaz-Canel negou ter encorajado os cubanos ao “combate” contra os manifestantes e diz que os Estados Unidos estão a tentar forçar uma mudança de regime. Activistas falam em centenas de detenções no seguimento dos protestos de domingo.

miguel-diazcanel,estados-unidos,america-latina,protestos,mundo,cuba,
Fotogaleria
Opositores e apoiantes do Governo cubano enfrentam-se em Havana Ernesto Mastrascusa/EPA
miguel-diazcanel,estados-unidos,america-latina,protestos,mundo,cuba,
Fotogaleria
Polícia detém um jovem manifestante em Havana Reuters
miguel-diazcanel,estados-unidos,america-latina,protestos,mundo,cuba,
Fotogaleria
Emigrantes cubanos em Miami, Florida, protestam contra o regime deHavana MARIA ALEJANDRA CARDONA/Reuters

Um dia depois dos maiores protestos em três décadas contra o Governo de Cuba, o Presidente Miguel Díaz-Canel negou esta segunda-feira ter pedido “ao povo para enfrentar o povo” e acusou os Estados Unidos de tentarem desestabilizar o país para forçar uma mudança de regime, numa altura em que se sucedem os relatos de violência policial e detenções de manifestantes.