Merge é uma revista-palco onde os artistas podem “falar sobre o que realmente importa”

Fundada há pouco mais de um ano por jovens estudantes e recém-formados na área do design, a Merge - The Social Magazine define-se como “uma revista de apoio à arte e cultura portuguesa”. A 10ª edição, dedicada ao tema da identidade, está à venda.

Foto
André Silva, designer gráfico e fundador da "Merge - The Social Magazine" Sara Cardoso

Desde 2018 que André Silva pensava em criar um projecto editorial. Na altura, estudava Design Gráfico e Publicidade na Escola Superior de Media Artes e Design (ESMAD), no Porto, e a “paixão pela parte editorial” já se fazia sentir. Dois anos mais tarde, convidou Joana Franco, Mariana Fidalgo, Sofia Coutinho, João Ventura, Adriana Rocha e Sofia Pancada para iniciarem uma revista que começou digital, mas já se tornou também impressa. Em Maio de 2020, os jovens lançavam a primeira edição da Merge – The Social Magazine, totalmente digital e gratuita, cujo tema Impacto espelhava as dificuldades vividas pelos artistas emergentes portugueses, acentuadas pela pandemia que já atingia o país.

“É tudo voluntário. Gostávamos que, num futuro próximo, tivéssemos a capacidade de estar lá a tempo inteiro, mas a Merge surgiu de investimento dos nossos bolsos”, começa por contar André ao P3, explicando que a revista nasce também da precariedade de trabalho que é comum à indústria das artes. “Sentimos a necessidade, não tínhamos nada, mas queríamos ter alguma coisa e a partir daí a revista começou a desenvolver-se.”

Com o mote “cultura ajuda cultura”, colaboram com cerca de sete ou oito artistas de cada vez, nas várias áreas artísticas, tendo o objectivo de lhes dar palco e plataforma para contarem a sua história, ao mesmo tempo expondo o trabalho sem qualquer limite imposto. “Aquilo que fazemos é falar com artistas emergentes, ou acabados de sair da faculdade, ou que perderam muita coisa por causa da pandemia, e perguntar o que é que fazem, o que criam. A partir daí, desenvolvemos projecto gráfico para a sociedade em geral, para que consigam ver o trabalho deles”, explica o designer.

Foto
10ª edição da Merge - The Social Magazine, com o tema Identidade. Sara Cardoso

Da pintura à música, à ilustração e fotografia, passando por vários outros géneros, a Merge foca-se em temas sociais desenvolvidos e expostos através das artes. “A revista funciona bem porque sentimos a necessidade de que os artistas tenham poder para falar sobre aquilo que realmente importa. E falam.” Da perspectiva de André, um dos factores mais importantes do projecto é “deixar que eles [os artistas] se exprimam da forma que sentem mais necessidade”.

Apesar de a equipa ser maioritariamente composta por estudantes e jovens profissionais do design, uma das características da Merge é a liberdade gráfica presente em cada edição. “Acho que a diferença da nossa revista para outras que possam existir no mercado é que cada página é diferente da seguinte e da anterior, não existe qualquer tipo de coerência gráfica de uma página para a outra”, revela.

Daí o tema da 10.ª edição ser identidade, algo que pode ser difícil de definir.A 10.ª edição surge de uma necessidade de apresentarmos a identidade daquilo que nós somos e de começarmos a assumir uma incoerência coerente”, refere André. Depois de mais de um ano de edições, o projecto assume-se como “uma revista de apoio à arte e cultura portuguesa”, independentemente da sua forma e representação gráfica, que, de resto, é sempre diferente.

Foto
Merge

Agora conta ainda com quatro rubricas assumidas: uma entrevista intermitente, a bagagem, o holofote e o manifesto. A entrevista surge apenas “quando há algo de urgente a questionar” e visa dar a conhecer as questões e reflexões dos entrevistados; o tema bagagem é um espaço que divulga o trabalho de artistas estrangeiros em Portugal, ou portugueses no estrangeiro; o holofote foca-se em questões sociais exploradas por artistas, activistas e profissionais de vários meios e há ainda uma secção para a partilha de manifestos artísticos nas suas variadas formas.

Actualmente, a marca tomou outras dimensões e “já é mais do que uma revista”, actuando em diversas áreas. De acordo com o fundador, a empresa é agora uma “entidade cultural” que apoia voluntariamente universidades e associações de estudantes com projectos de investigação, cultura e arte que sejam “benéficos para sociedade” e na área da inclusão, contribuindo com a parte gráfica. Até ao momento, já colaboraram com a Escola Superior de Saúde, a Escola Superior de Enfermagem e Instituto Superior de Engenharia do Porto, do Politécnico do Porto.

Através da página oficial da Merge é possível aceder a uma loja virtual que contém todos os exemplares produzidos até ao momento. A última edição está à venda em formato impresso, por 16 euros, e conta com a colaboração de artistas como Filipa Bossuet, Leonor Violeta e Sandra Araújo.

Texto editado por Ana Maria Henriques