A paisagem literária (2ª parte)

Retomo, para concluir, o assunto de que me ocupei nesta coluna, na semana passada, tentando identificar os traços mais salientes do “campo” literário, em Portugal. E coloco “campo” entre aspas porque aludo ao sentido que esta noção tem no método de investigação sociológica de Pierre Bourdieu: o campo como uma divisão do mundo social, estruturado por regras e interesses que o autonomizam e o tornam um lugar de competição ou até um campo de batalha onde todos os intervenientes, quer queiram quer não, são necessariamente estrategas.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários