Renato Sanches: “Ajudei, mas toda a equipa teve uma atitude diferente com a França”

Médio do Lille foi fundamental na fase de grupos e deverá voltar a ser titular na partida com a Bélgica

Foto
Renato Sanches deu potência ao meio-campo português na partida com a França Reuters/FRANCK FIFE

Apontado como um dos elementos decisivos para a boa exibição frente à França (2-2), Renato Sanches preferiu sublinhar esta sexta-feira o comportamento colectivo que valeu o apuramento de Portugal para os oitavos-de-final do Euro 2020. O médio garantiu que todos os jogadores estão agora focados na partida com a Bélgica, em Sevilha (20h, TVI). Em caso de triunfo, considerou positivo que a selecção estabeleça o seu quartel-general na Cidade do Futebol, em Oeiras, onde contará com um apoio “muito mais intenso dos adeptos”.

“A equipa teve uma atitude diferente em relação último jogo [a derrota com a Alemanha por 4-2] e globalmente tivemos mais energia”, defendeu o futebolista, que se estreou a titular nesta competição na terceira partida da fase de grupos.

Sanches falou ainda nas características do seu futebol, assumindo-se como “um jogador possante”. “Uma das minhas armas é usar o meu corpo para jogar. Tenho de saber usá-lo e ter a bola”, explicou.

Cinco anos depois de ter ajudado a conquistar o Europeu de França, Renato Sanches, agora com 23 anos, é um jogador mais experiente, ultrapassadas algumas contrariedades na sua ainda curta carreira. Formado no Benfica, onde alinhou apenas uma época na equipa principal dos “encarnados”, protagonizou uma transferência milionária para os alemães do Bayern Munique, a troco de 35 milhões de euros, em Julho de 2016.

Não se iria afirmar no exigente clube da Baviera, acabando por falhar o Mundial da Rússia, em 2018. Contratado pelos franceses do Lille na temporada 2019-20, por 20 milhões de euros, o médio daria um novo impulso à sua carreira, afirmando-se na equipa principal que conquistou o título esta época, batendo o pé ao ultra-favorito PSG.

As suas exibições em França renderam-lhe um passaporte para o Euro 2020, tendo começado no banco as duas primeiras partidas. No jogo com a Hungria, entrou apenas aos 81’ quando ainda persistia um nulo no marcador, ajudando a revolucionar o encontro. Acrescentou velocidade e irreverência e contribuiu para o triunfo por 3-0.

No segundo jogo, com os alemães, foi chamado após o intervalo, numa altura em que Portugal perdia por 2-1. Foi um dos melhores da selecção, contribuindo com potência no meio-campo e fazendo uso do corpo, como gosta, para vencer duelos com adversários. Esteve perto de apontar um grande golo com um remate forte de fora da área, acabando a bola por ser devolvida pelo poste.

Foi finalmente titular no encontro com os franceses. Voltou a ser um dos melhores em campo e terá ganho o lugar no “onze” de Fernando Santos para defrontar a complicada Bélgica.