Silvestre Pestana: o artista radioso

Depois do Museu de Serralves, do Museum of Contemporary Art Santa Barbara, na Califórnia, e do prémio AICA 2019, Silvestre Pestana expõe nestes dias em Bragança. Oportunidade para revermos o criador de origem madeirense, entre a política, a experimentação tecnológica e o espaço cósmico. É o espelho do último meio século de vida em Portugal. E a iniciativa de Bragança coloca a questão: para quando a retrospetiva em Lisboa?

arte-contemporanea,exposicao,braganca,artes,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
arte-contemporanea,exposicao,braganca,artes,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Manuel Santos Maia
arte-contemporanea,exposicao,braganca,artes,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Manuel Santos Maia
arte-contemporanea,exposicao,braganca,artes,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Manuel Santos Maia

Silvestre Pestana (Funchal, 1949) é um caso admirável e particularmente desconhecido da arte contemporânea portuguesa. Depois da retrospetiva no Museu de Serralves em 2016, da exposição no Museum of Contemporary Art Santa Barbara (MCASB), na Califórnia, em 2017, e do prémio da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA), em 2019, entregue pela ministra da Cultura no ano passado, Silvestre Pestana apresenta-se nestes dias com uma nova exposição, fora dos grandes centros, em Bragança.