Ambiente

Um navio cheio de cosméticos pegou fogo — e as praias do Sri Lanka encheram-se de microplásticos

Escombros do navio contentor MV X-Press Pearl arrastados para uma praia em Ja-Ela Dinuka Liyanawatte/Reuters
Fotogaleria
Escombros do navio contentor MV X-Press Pearl arrastados para uma praia em Ja-Ela Dinuka Liyanawatte/Reuters

Depois de mais de uma semana de fogo, centenas de membros da marinha do Sri Lanka começaram a retirar os destroços do navio porta-contentores MV X-Press Pearl, arrastados para uma praia em Ja-Ela, que se encheu de microplásticos. O navio com bandeira de Singapura transportava cosméticos e produtos químicos, incluindo 25 toneladas de ácido nítrico. Estava ancorado à espera de entrar no porto de Colombo, a capital do Sri Lanka, quando um dos contentores pegou fogo e continuou a arder durante dias. 

Na semana passada, segundo a Aljazeera, as autoridades disseram acreditar que o incêndio tinha sido causado por uma fuga de ácido nítrico, do conhecimento da tripulação do navio desde 11 de Maio. Os 25 tripulantes do navio foram resgatados e os proprietários do navio, X-Press Feeders, disseram não haver danos nos tanques de combustível. 

Nos últimos dias, toneladas de microplásticos inundaram as conhecidas praias do sul da Ásia, em Negombo, um destino turístico popular, enquanto uma operação internacional tenta impedir um possível derrame de petróleo. Os escombros que têm sido arrastados pelo mar levaram a uma proibição da pesca ao longo de 80 quilómetros de costa, segundo escreve a agência AFP, pondo em risco o trabalho de pescadores e os ecossistemas das águas baixas desta região, conhecida em particular pelos seus caranguejos e camarões gigantes. A Autoridade de Protecção Marinha do Sri Lanka (MEPA) disse que os resíduos de plástico do navio em chamas tinham provavelmente causado “a pior poluição das praias na história” do país asiático, e avisou que poderia causar anos de danos ecológicos.

Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Dinuka Liyanawatte/Reuters
Sugerir correcção