Morreu o coronel Diniz de Almeida, vítima de covid-19

Coronel reformado, Diniz de Almeida teve um papel decisivo na resposta ao bombardeamento e cerco da sua unidade, o Ralis.

Foto
Miguel Madeira

O coronel reformado Eduardo Diniz de Almeida, que teve um papel decisivo na resposta ao bombardeamento e cerco da sua unidade, o Regimento de Artilharia Ligeira (Ralis), no contexto da tentativa golpista de 11 de Março de 1975, morreu vítima de covid-19. A morte do coronel, de 76 anos, foi confirmada ao PÚBLICO por Vasco Lourenço, presidente da direcção da Associação 25 de Abril.

Natural de Lisboa, Diniz de Almeida integrou o Movimento das Forças Armadas desde as primeiras reuniões e fez parte de vários órgãos do MFA. A partir de terça-feira, o seu corpo a estará em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, e o funeral sairá na manhã do dia seguinte para o Cemitério do Alto de São João para ser cremado.

Em comunicado, o PCP refere-se a Diniz de Almeida como um dos “mais destacados militares de Abril” e destaca a sua participação activa no Movimento das Forças Armadas “desde a sua fase conspirativa, nomeadamente na reunião de oficiais de Évora”.

Foto
Diniz de Almeida (à direita da foto) LUIS VASCONCELOS

“Em 25 de Abril de 1974, comandou uma colina militar saída da Figueira da Foz com destino a Lisboa, tendo parte dessa coluna sido encarregue de libertar o forte de Peniche. Quando da tentativa golpistas de 11 de Março de 1975, teve um papel decisivo na resposta ao bombardeamento e cerco da sua unidade em Lisboa”, diz o comunicado. Também a Associação 25 de Abril reagiu à morte, considerando-o “uma das figuras principais no processo revolucionário”. Em comunicado, realça “a sua permanente fidelidade aos ideais que o fizeram avançar para a epopeia colectiva que constitui uma das mais belas páginas da História de Portugal.”

Em Lisboa, a sua coluna ocupou o quartel da Legião Portuguesa, na Penha de França, e instala-se no Regimento de Artilharia Ligeira (que passou a chamar-se Ralis), a qual, no 11 de Março, é sobrevoado e metralhado por aviões e cercado por tropas pára-quedistas da Base Aérea de Tancos, afectas ao golpe de António Spínola. Ele resiste e recebe no Ralis o filósofo Jean-Paul Sartre e o então director do Jornal Libération, Serge July.

No dia 21 de Novembro de 1975, diante de jornalistas e de câmaras de televisão, decorre no Ralis o primeiro e único juramento de bandeira revolucionário. 170 novos recrutas, de braço estendido e punhos cerrados, juram pela Pátria, comprometem-se a estar sempre ao lado do povo, da classe operária e a aceitar voluntariamente a disciplina revolucionária. Em 25 Novembro, tenta resistir aos Comandos, mas já não tem qualquer influência nos acontecimentos.

Foto

Enfrentou vários processos disciplinares de que saiu ilibado. Licenciou-se em Psicologia Clínica e Medicina Dentária, foi vereador na Câmara Municipal de Cascais pela CDU, entre 2001 e 2005, e pertenceu à comissão nacional de apoio à candidatura de Jerónimo de Sousa a Presidente da República, No Ralis, de que era responsável, Diniz de Almeida opôs-se às práticas de sevícias sobre presos políticos por parte de militares de extrema-esquerda.