Tolentino Mendonça pede “outras gramáticas” para o mundo pós-pandemia. A DGS “persegue a igreja”, queixam-se os peregrinos

O “verdadeiro desconfinamento é aquele que o amor opera em nós”, considerou, em Fátima o cardeal D. José Tolentino Mendonça, em mais um 12 e 13 de Maio, em Fátima. Muitos dos peregrinos que ficaram de fora acusaram a DGS de “perseguir a Igreja”.

fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Os rituais voltaram a cumprir-se em Fátima mas com fortes restrições no acesso ao recinto do santuário Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda
fatima,papa-francisco,igreja-catolica,sociedade,portugal,religiao,
Fotogaleria
Adriano Miranda

A “experiência de crise mais extrema” pode ser transformada “numa ocasião para relançar a vida, para restaurar a sua frágil arquitectura, para propor um novo começo”. A olhar já para um mundo pós-pandemia, o cardeal D. José Tolentino Mendonça, pareceu querer, esta quinta-feira, em Fátima, onde presidiu a mais uma celebração do 12 e 13 de Maio, esconjurar o fatalismo e “devolver a esperança a quantos se sentem cansados e oprimidos”.