Luís Marrafa dança para espantar a morte

Na abertura do Temps d’Images, o coreógrafo e bailarino português divide-se entre o palco e a tela. Ghost, a peça que agora estreia no Centro Cultural de Belém, nasceu da constatação de que chegara à idade com que o seu pai morreu.

Foto
petra van goumpel

Ghost é uma peça que Luís Marrafa não sabia estar à sua espera. Mas pode dizer-se que estava, a contar os anos que o coreógrafo e bailarino demoraria a chegar à mesma idade com que o seu pai morreu – 45. Foi a súbita consciência desse facto, dessa assombração, que pôs o criador português sediado em Bruxelas a remexer nas suas memórias associadas à morte para compor o material da coreografia que apresenta estas quarta e quinta-feira no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no arranque do festival Temps d’Images. “Nunca pensei que isto viesse à tona, esta ideia de trabalhar sobre a morte”, diz ao PÚBLICO. “Mas comecei a ter a sensação de estar adoentado. Imagino que seja psicológico, mas cheguei a ir a um cardiologista, sentia-me abananado com a ideia de que podia morrer com esta idade.”