Sporting repudia ataque a uma das claques por “adeptos rivais”. Benfica diz que não se revê em violência

PSP confirma ao PÚBLICO a existência de um ferido na sequência dos confrontos. “Águias” dizem que envolvidos nos confrontos devem ser punidos.

Foto
Confrontos aconteceram nas imediações do estádio Mário Cruz/Lusa

O Sporting emitiu, na tarde desta segunda-feira, um comunicado a repudiar um ataque a elementos da Torcida Verde, uma das claques afectas ao clube de Alvalade. De acordo com os “leões”, um “grupo de adeptos do clube rival” atacou os elementos da claque sportinguista. Apesar de não mencionar directamente o Benfica na comunicação publicada no site oficial, poucas dúvidas restavam que o Sporting se referia às “águias”, apesar de a PSP não confirmar oficialmente a ligação dos agressores aos Diabos Vermelhos. 

Já no final da tarde, o Benfica reagiu em comunicado às notícias que apontavam os agressores como elementos ligados ao clube da Luz. As “águias” repudiaram também os actos de violência "envolvendo adeptos do Benfica e do Sporting”, considerando que as autoridades competentes devem agir e punir os intervenientes nestes actos de violência.

“Sejam provocados por adeptos do Benfica ou de qualquer outro clube, não deixam de ser isso mesmo, actos de violência, nos quais não nos revemos e que prejudicam a imagem do futebol português e do desporto nacional”, escreve o clube da Luz em comunicado

O jornal desportivo Record avançou a notícia dos desacatos esta segunda-feira, adiantando que resultaram feridos dos confrontos entre os adeptos dos grupos rivais. Uma informação confirmada pelo PÚBLICO junto da PSP, que tomou conta da ocorrência e confirmou a existência das agressões. Um homem sofreu um ferimento numa mão junto ao Pavilhão João Rocha, local onde ocorreram os confrontos entre os adeptos.

A polícia encontra-se agora a investigar as ligações dos agressores encapuzados, de modo a perceber as motivações do ataque. A PSP não confirma que os agressores têm ligações ao grupo Diabos Vermelhos, como foi inicialmente avançado pelo Record

“Situações desta natureza não dignificam o desporto nacional nem são representativas do futebol em particular. O Sporting CP continuará sempre a defender que a cultura de medo, de conflito e de violência deve ser banida do futebol português”, escreveram os “leões” em comunicado, onde repudiaram o incidente.