Coronavírus

Os rostos dos profissionais de saúde mental de Nova Iorque

Os profissionais de saúde mental de Nova Iorque também se sentem stressados e ansiosos por causa do confinamento e das restrições impostas pela pandemia. Zakiyyah Woods, fotógrafa de Brooklyn, em Nova Iorque, retratou-os.

Fotogaleria

Os retratos são de psicoterapeutas, assistentes sociais e coordenadores de centros ocupacionais, que trabalham na área da saúde mental e acompanham o impacto da pandemia na população.

Amina Woods, psicoterapeuta de Nova Iorque, nos Estados Unidos, citada pela Reuters, afirma que as pessoas estão “exaustas” e “sobrecarregadas de trabalho”. Alguns dos seus pacientes são, também, profissionais de saúde que procuram ajuda após um ano de pandemia. E Amina não o esconde: ela própria sente-se mais stressada e ansiosa com as restrições de circulação impostas. Falar com amigos, patinar e chorar ajudam-na.

Os retratos são de Zakiyyah Woods, fotógrafa de Brooklyn, em Nova Iorque. Usa o “talento por detrás da câmara para capturar histórias de dor, alegria e tudo o que existe entre elas”, e quer assegurar que “as histórias da comunidade negra são contadas”, afirma, no seu site.

Sade Fansanya, coordenadora de um albergue para homens, posa para o retrato tirado por Zakiyyah Woods, em Brooklyn, Nova Iorque, a 1 de Fevereiro de 2021.
Sade Fansanya, coordenadora de um albergue para homens, posa para o retrato tirado por Zakiyyah Woods, em Brooklyn, Nova Iorque, a 1 de Fevereiro de 2021. Zakiyyah Woods/Reuters
Amina Woods, directora de uma instituição de acolhimento e psicoterapeuta num consultório privado, trabalha em sua casa, em Nova Iorque, a 3 de Março de 2021. A assistente social, psicoterapeuta e mãe solteira, de 38 anos, afirma que deveria ser dada mais atenção ao impacto da pandemia na saúde mental das pessoas. “As pessoas não estão bem neste momento. As pessoas estão exaustas. As pessoas estão a sentir-se sobrecarregadas de trabalho”, disse Amina, citada pela Reuters.
Amina Woods, directora de uma instituição de acolhimento e psicoterapeuta num consultório privado, trabalha em sua casa, em Nova Iorque, a 3 de Março de 2021. A assistente social, psicoterapeuta e mãe solteira, de 38 anos, afirma que deveria ser dada mais atenção ao impacto da pandemia na saúde mental das pessoas. “As pessoas não estão bem neste momento. As pessoas estão exaustas. As pessoas estão a sentir-se sobrecarregadas de trabalho”, disse Amina, citada pela Reuters. Zakiyyah Woods/Reuters
Amina Woods disse que muitos dos seus pacientes sofrem de depressão, ansiedade e stress pós-traumático, alguns deles enfermeiros e outros profissionais de saúde que procuram ajuda depois de um ano a testemunhar os efeitos da covid-19, incluindo um número impressionante de mortes. “Acho que o impacto que a pandemia tem tido nos prestadores de cuidados, quer sejam médicos, enfermeiros ou terapeutas, é esquecido”, disse. Amina Woods também sente stress e ansiedade causados pelo confinamento e restrições sociais impostas pela pandemia. Recorrer ao apoio de outras pessoas e respirar fundo ajuda-a, afirma, e “chorar também ajuda”. A patinagem também lhe traz momentos regulares de alegria, contou. “Neste pequenino apartamento, comecei a deslizar de patins, ou se for levar o lixo fora andava de patins até à conduta do lixo... Faz-me sentir como uma criança de novo.”
Amina Woods disse que muitos dos seus pacientes sofrem de depressão, ansiedade e stress pós-traumático, alguns deles enfermeiros e outros profissionais de saúde que procuram ajuda depois de um ano a testemunhar os efeitos da covid-19, incluindo um número impressionante de mortes. “Acho que o impacto que a pandemia tem tido nos prestadores de cuidados, quer sejam médicos, enfermeiros ou terapeutas, é esquecido”, disse. Amina Woods também sente stress e ansiedade causados pelo confinamento e restrições sociais impostas pela pandemia. Recorrer ao apoio de outras pessoas e respirar fundo ajuda-a, afirma, e “chorar também ajuda”. A patinagem também lhe traz momentos regulares de alegria, contou. “Neste pequenino apartamento, comecei a deslizar de patins, ou se for levar o lixo fora andava de patins até à conduta do lixo... Faz-me sentir como uma criança de novo.” Zakiyyah Woods/Reuters
Fanny Tristan, uma psicoterapeuta com um consultório particular, posa para o retrato de Zakiyyah Woods, a 7 de Março de 2021.
Fanny Tristan, uma psicoterapeuta com um consultório particular, posa para o retrato de Zakiyyah Woods, a 7 de Março de 2021. Zakiyyah Woods/Reuters
A assistente social Mina Davis-Harrison posa para a fotografia no Bronx, em Nova Iorque, a 31 de Janeiro de 2021.
A assistente social Mina Davis-Harrison posa para a fotografia no Bronx, em Nova Iorque, a 31 de Janeiro de 2021. Zakiyyah Woods/Reuters
Fedia Louis, assistente social nas urgências de psiquiatria de um hospital, posa para o retrato em Brooklyn, Nova Iorque, a 5 de Março de 2021.
Fedia Louis, assistente social nas urgências de psiquiatria de um hospital, posa para o retrato em Brooklyn, Nova Iorque, a 5 de Março de 2021. Zakiyyah Woods/Reuters
Xavier Bedward, assistente social a trabalhar num centro juvenil, posa para o retrato em Nova Ioque, a 7 de Março de 2021.
Xavier Bedward, assistente social a trabalhar num centro juvenil, posa para o retrato em Nova Ioque, a 7 de Março de 2021. Zakiyyah Woods/Reuters
Jason Quinnerly, coordenador de um centro de dia que apoia homens e mulheres com deficiência em Brooklyn, posa para um retrato em Brooklyn, bairro de Nova Iorque, a 5 de Março de 2021.
Jason Quinnerly, coordenador de um centro de dia que apoia homens e mulheres com deficiência em Brooklyn, posa para um retrato em Brooklyn, bairro de Nova Iorque, a 5 de Março de 2021. Zakiyyah Woods/Reuters
Sugerir correcção