Ex-comentadora da TVI Suzana Garcia apontada como candidata do PSD à Amadora

Estruturas locais deram parecer positivo, mas falta a homologação da direcção de Rui Rio.

autarquicas-,amadora,politica,rui-rio,psd,
Fotogaleria
Suzana Garcia numa foto partilhada no seu Facebook DR
Só depois de validadas as candidaturas são anunciadas por Rui Rio
Fotogaleria
Só depois de validadas as candidaturas são anunciadas por Rui Rio Nelson Garrido

A ex-comentadora da TVI e jurista Suzana Garcia obteve parecer favorável das estruturas locais do PSD para ser candidata à Câmara da Amadora nas próximas autárquicas. Ao que o PÚBLICO apurou, o processo ainda não chegou à comissão política nacional do partido para ser homologado.

Depois da concelhia, a distrital do PSD de Lisboa aprovou na segunda-feira, por maioria, a indicação de Suzana Garcia para a Câmara da Amadora, que é conhecida por assumir posições polémicas e que chegou a ser convidada pelo Chega para ser candidata autárquica, tendo recusado. Em entrevista ao Polígrafo/SIC, André Ventura chegou a dizer, sobre a advogada: “É uma candidata de que gosto muito”.

O processo agora desencadeado pelas estruturas locais só deverá ser apreciado pela direcção de Rui Rio depois de dia 31 deste mês, que é o prazo dado para as concelhias indicarem os candidatos autárquicos.

Suzana Garcia nasceu em Maputo, Moçambique, e foi comentadora do programa das manhãs Você na TV, na TVI, sobre assuntos criminais e de justiça, tendo saído em Setembro do ano passado. Na rubrica Crónica Criminal desse programa, a advogada ganhou notoriedade ao defender propostas polémicas como a castração química de pedófilos condenados, razão pela qual chegou a ser associada ao partido de André Ventura.

“Preferia que não me ligassem a ninguém. Não gosto que me associem a ninguém. O que digo e faço só me onera a mim”, disse, sobre o assunto, numa entrevista à revista Sábado, em Março de 2020, na qual se definiu como “uma pessoa de direita que se classificaria de moderada”.

Nessa altura, a comentadora revelou que já havia sido convidada para militar em "dois partidos políticos de direita”. “Um deles considerei insultuoso, no outro a resposta foi a mesma, embora o tivesse feito com delicadeza. Insultuoso porque é um partido… Nem sequer o classifico como partido. Se mandasse, nem existia. Pensar que eu poderia comungar daquele ideário político é insultuoso. E não acho que seja dócil com os direitos das mulheres”, insistiu, sem nunca revelar qual o partido a que se referia.

Uma das polémicas em que se viu envolvida por causa das suas opiniões expressas na televisão teve a ver com a morte de Luís Giovani, o jovem cabo-verdiano que foi espancado à porta de uma discoteca de Bragança, cidade onde estudava. Ao defender que não tinha havido um silêncio sobre o caso, Suzana Garcia disse: “Falou-se. Não se falou foi histericamente como esta gentalha queria que se falasse”. Mais tarde, e na sequência de acusações de racismo, teve de se justificar, dizendo que a “gentalha” a que se referia não eram cabo-verdianos. "Não posso ser responsável pelas interpretações que as pessoas quiserem dar. A minha avó é negra e a minha mãe é mulata. Na minha família materna tenho primos que não falavam comigo há imenso tempo que voltaram a mim [após as acusações]. Aproximou a minha família materna”.

A Câmara da Amadora é governada pelo PS e é uma autarquia onde o PSD tem muitas dificuldades em eleições locais.