“A ideia de ausência de racismo e de exploração na relação colonial tem grande continuidade até hoje”

António Costa Pinto, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, defende que os governos do PS e do PSD construíram uma relação pós-colonial pragmática e de “esquecimento” do colonialismo.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Como é que a Guerra Colonial e o fim do império marcaram a nossa identidade colectiva?
A continuidade da associação entre império colonial africano e identidade nacional foi determinante na cultura de elites e de massas muito para além do colonialismo tardio e das guerras coloniais da década de 1960. Com a descolonização e a adesão à União Europeia, as elites políticas portuguesas conseguiram associar desenvolvimento a Europa, mas a “identidade imaginada” dos portugueses ainda está muito ligada ao espaço pós-colonial. O “lusotropicalismo” não foi apenas um “sucesso” do salazarismo na sua transposição para a cultura das elites políticas governantes e de massas na democracia. A ideia da ausência de racismo e de exploração na relação colonial de Portugal é mais antiga e com grande continuidade até hoje.