O goleador da Champions continua na Champions

Borussia Dortmund segue para os quartos-de-final após empate caseiro (2-2) com o Sevilha, com mais dois golos de Erling Haaland.

Foto
Mais dois golos para Haaland Reuters/LEON KUEGELER

Erling Haaland é um monstro. Que marca muitos golos. E só tem 20 anos. O avançado norueguês foi mais uma vez a figura do Borussia Dortmund ao marcar os dois golos do empate (2-2) diante do Sevilha no Westfalenstadium na segunda mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Com empate, mais otriunfo na primeira mão na Andaluzia por 2-3, o Borussia vai estar estar esta época nos quartos-de-final da Champions, depois de ter sido eliminado nos “oitavos” nas duas épocas anteriores.

Se a equipa alemã está entre as oito melhores equipas da Europa, muito se deve a Haaland, que, com o seu bis desta noite, já vai em dez golos esta época só na liga milionária (melhor marcador da competição esta época), para um total de 31 em 29 jogos. E o jogo desta noite teve algumas semelhanças com aquele que aconteceu há três semanas no Ramón Sánchez Pizjuán, com a equipa de Lopetegui a dominar a posse de bola, mas sem conseguir fazer nada com ela. A única diferença desta vez é que o Dortmund, sem Raphael Guerreiro, marcou primeiro, numa jogada simples dos alemães. Reus ganhou a linha de fundo e fez o passe atrasado na direcção de Haaland, que não falhou.

Após o golo, como que a retribuir a assistência, Haaland pegou em Reus e deve tê-lo levantado do chão uns 30 centímetros, a mostrar que, para além de perna forte, também tem poder nos braços. Se o primeiro golo foi simples, a história do segundo foi bastante mais complexa. Começou por ser uma jogada normal aos 48’ em que Haaland recebeu a bola de Thorgan Hazard, ganhou um duelo com Diego Carlos e bateu Bono pela segunda vez. Mas o árbitro, após revisão do VAR, entendeu que havia falta do norueguês e anulou o lance.

Pouco depois, houve nova interrupção de jogo para dar um penálti favorável ao Dortmund que acontecera antes do golo anulado. Haaland avançou para a marca dos 11 metros, permitiu a defesa do guarda-redes Bono e o jogo prosseguiu. Só que o guardião do Sevilha tinha-se adiantado antes de Haaland bater o penálti e o árbitro ordenou a repetição e, desta vez, o avançado norueguês não falhou.

O Sevilha ainda conseguiu reduzir para 2-1 aos 68’, num penálti convertido por En-Nesyri, e empatou 2-2 no tempo de compensação, de novo por En-Nesyri, após cruzamento de Rakitic, mas os andaluzes precisavam de mais um para o prolongamento.