UNITA desconfia que João Lourenço possa usar a revisão constitucional para adiar as eleições de 2022

Adalberto Costa Júnior diz que proposta do Presidente angolano levanta “suspeições” e que pretende apenas “sair da onda de impopularidade em que se encontra”.

Foto
João Lourenço nega que existe uma campanha racista contra o líder da oposição, Adalberto da Costa Júnior, mas este garante que "a campanha foi lançada por um órgão que ele dirige Miguel Manso

O maior partido da oposição em Angola reagiu com cepticismo ao anúncio do Presidente João Lourenço, feito esta terça-feira antes do Conselho de Ministros, de promover uma revisão pontual da Constituição. Para a UNITA, que há muito vem defendendo a necessidade de rever a lei básica aprovada em 2010, esta proposta saída do nada gera desconfiança e suspeita quanto à possibilidade de um adiamento das eleições de 2022.