“Azulejos de rudistas”: quando os fósseis inspiraram a arte nas paredes de Lisboa

Para simular lioz – um material de construção nobre e caro –, os artistas reproduziram-no em azulejo, replicando as formas que os fósseis de rudistas deixavam na pedra. E assim, de forma acessível, se cobririam inúmeros prédios na cidade. Mas vários destes azulejos centenários já desapareceram de alguns edifícios em Lisboa.

camara-lisboa,patrimonio,local,arquitectura,lisboa,
Fotogaleria
Rua da Rosa
camara-lisboa,patrimonio,local,arquitectura,lisboa,
Fotogaleria
Calçada com fósseis de rudistas,Calçada com fósseis de rudistas
camara-lisboa,patrimonio,local,arquitectura,lisboa,
Fotogaleria
Calçada do Combro
camara-lisboa,patrimonio,local,arquitectura,lisboa,
Fotogaleria
Rua D. pedro V

Lisboa tem uma aparência única. A pedra calcária que cobre os edifícios e monumentos e a omnipresença de azulejos são elementos inextricáveis do ambiente da cidade. É nesta pedra, o lioz, que se escondem tesouros da história da Terra, fósseis de organismos que viveram há muito. Expressados em azulejos, estes fósseis de rudistas inspiraram criações artísticas originais que não se encontram em mais lado algum.