Não estamos a ser otimistas que chegue com as vacinas

A forma como as vacinas de ARN-mensageiro foram desenvolvidas e distribuídas virá certamente a ser considerada uma verdadeira revolução. Mas por agora há que descansar toda a gente acerca da eficácia e da segurança destas vacinas.

Algures durante o próximo mês de março Portugal atingirá um marco que não sei se será devidamente celebrado: teremos mais gente imunizada contra a covid-19 através de vacinas do que os cerca de 700 mil recuperados da covid-19 que terão adquirido algum tipo de imunidade de forma “natural”. Dá que pensar: em menos de três meses, vacinas que no início da pandemia não sabíamos se viriam a existir estarão prestes a imunizar mais gente do que qualquer estratégia de “imunidade de rebanho” através da infeção. Com uma grande vantagem: a imunidade pela vacina é totalmente segura e não mata ninguém.